AINDA SOBRE ELEIÇÕES, DEBATES, PESQUISAS E URNAS ELETRONICAS

    Já revelei que, depois que entrei nos "enta", passei a "sobreviver" de eventos, como as Olimpíadas; a Copa do Mundo; os torneios de futebol europeus. Todavia, a preferência é pelas eleições brasileiras. Nos pleitos nacionais, gosto de acompanhar os "arranca rabos" entre candidatos, analisar os números, colecionar apelidos e slogans, observar a parcialidade da imprensa e exercitar o hobby de realizar pesquisas eleitorais particulares.Por isso, estou lamentando perceber que as eleições perderam a graça. Para começar, um dos seus encantos, as "brigas" voto a voto, que podiam ser longas, desapareceram. Em 1985 a disputa pela prefeitura de São Paulo, foi entre Jânio Quadros e Fernando Henrique. Como os institutos de pesquisa previram a vitória do FHC, este, na véspera do pleito, deixou-se fotografar na cadeira do prefeito. A apuração, simultânea entre os bairros ricos e a periferia, apontou uma vantagem de 1% pró Jânio que perdurou nervosamente durante toda a noite e varou a madrugada. Eleito, Jânio mandou dedetizar a cadeira de prefeito. A urna eletrônica acabou com a carga dramática das velhas apurações, que era a votação obtida por alguns candidatos em seu reduto eleitoral nas baixadas e na "zona da mata".Os sufrágios nas cédulas manuais das periferias eram levados de carro até aos centros de apuração e conforme a distância custavam a chegar. A totalização desses votos era aguardada com intensa expectativa, porque provocavam reviravoltas no resultado.Depois que foi engessado com regras rígidas o debate perdeu a graça. Em1982, nas eleições para o Estado do Rio, Sandra Cavalcanti tinha cerca de 40% das intenções de voto e Leonel Brizola entre 2% e 3%. Como os debates não tinham a intransigência atual, Brizola deu um baile e foi eleito.É dessa época, a sua famosa resposta para a pergunta de onde tiraria os recursos para as promessas. Ele apontou o dedo indicador para a testa e disse: "Daqui ó!".As pesquisas acabaram com os suspenses.Os institutos ainda erram, mas, os acertos estão pela casa dos 90% e são capazes de checar as tendências com incrível rapidez.Nesta eleição, detectaram com precisão o "derretimento" da candidatura de Celso Russomano nos últimos 15 em São Paulo e a "boca de urna", apontou que ele estava fora do 2º turno.O advento das urnas eletrônicas e a instantaneidade das totalizações "on line" não podem deixar de ser louvados e oferece ao país o orgulho de possuir uma tecnologia a ser copiada e exportada.Todavia, se o processo continuar caminhando nessa velocidade, daqui a pouco, candidatos serão proclamados eleitos, sem necessidade de realização de eleições.