CELEBRIDADE

    Como escreveu o Arnaldo Jabor, nos últimos dias, só houve dois assuntos nesse bendito país: a gafe do Lula com o jornalista e as fotos da Juliana Paes na “Playboy”. O estranho é que a tempestade em copo d’água provocada pelo governo para rebater uma insipiente matéria de jornal, conseguiu tomar o lugar das fotografias do bumbum da atriz na boca do povo. Isso porque, no Brasil, qualquer acontecimento para virar notícia precisa ser patrocinado por um artista (futebolistas estão em baixa). Nem precisa ser escândalo da Vera Fischer. O namoro de um ex-BBB serve.Desgraçadamente, inexiste “em nossa cultura”, o hábito de se comemorar o sucesso profissional – não raro internacional – de nenhum dos nossos cientistas, historiadores, diplomatas, músicos ou de qualquer membro dos demais ramos de atividade. Essas pessoas não “vendem”, e, se fosse o caso, não se submeteriam serem  mostradas em generosos decotes ou de dorso nu.Até as exceções estão ligadas ao mundo artístico: Ivo Pitangui fez fama como cirurgião porque cuida das rugas e pelancas de artistas. Clóvis Sayone botou banca de advogado porque além de ser o preferido de nove entre dez pagodeiros, ainda por cima, dá aulas gratuitas e públicas, de como se iludir a justiça. Paulo Coelho virou escritor(?) porque provém do “meio”. E por aí vai.Outra constatação é a diferença de tratamento oferecido às “celebridades artísticas” pelos dois sexos. Mulheres admiram e espelham-se nas “estrelas” e endeusam os “astros”. Os homens, na contra-mão, maldizem os seus e desdenham das artistas, atribuindo-lhes sempre algum defeito de fabricação. Nem que seja uma unha encravada no dedo mindinho do pé.Entretanto, há muito ciúme nisso tudo. Possuo uma tia que era “fãzoca” do Wanderley Cardoso. Sempre que podia, o meu tio arranjava defeitos para o cantor: dizia que usava dentadura; que de tão baixinho usava botas de salto alto, que os olhos verdes eram lentes de contato; essas coisas. Enquanto isso, ignorando solenemente as maledicências, Wanderley arrastava minha tia ensandecida de paixão para qualquer lugar que comparecesse. Do Oiapoque ao Chui.Um outro fato aconteceu aqui no “730”. A apresentadora do JN, Fátima Bernardes, identificava-se na recepção no exato momento em que eu e um conhecido descíamos as escadas em direção à saída. Apenas para saber quem estava passando, a repórter nos deu uma rápida olhada sem o mínimo interesse e voltou a tratar da sua vida. O meu acompanhante não perdeu a oportunidade: “Que mulher antipática! Nem um sorriso! Pensa que está com o rei na barriga!”.E agora aparece o mesmo Arnaldo Jabor do parágrafo inicial para desancar com o bumbum da Juliana Paes em sua crônica semanal no GLOBO. No seu velho e conhecido estilo de “metralhadora giratória”, afirmou que: “… a bunda de Juliana me deixou aparvalhado. Não sei se esperava muito; só sei que fui tomado por uma profunda decepção…” “Olhei o bumbum de Juliana por todos os ângulos, e nada aconteceu, sexual e filosoficamente…” “… Por isso, afirmo que o bumbum de Juliana, por mais caras perversas que ela faça na revista, é uma bunda romântica, familiar. O rosto maternal de Juliana prejudica o desempenho de seu bumbum…”Eu e todas as pessoas que conheço que viram as fotos discordamos em gênero, número e grau. Olhada por qualquer ângulo a atriz é um “avião supersônico!” Um Airbus A-380 de 800 lugares! Unanimidade que me leva a duas conclusões sobre a opinião do cineasta: ou está precisando de óculos novos ou a sua intenção – como sempre – é a de situar-se no centro da polêmica para não cair no mesmo esquecimento dos seus filmes.Finalmente, confesso que, para mim, membro do sexo masculino e regido pelo signo de Escorpião, é impossível conter o veneno que está coçando na ponta da minha língua: “Qual é Jabor”?!?!  “Tá” com inveja, santa?     

    COMPARTILHAR
    Matéria anteriorFILOSOFIA PRAIANA
    Matéria seguinteDA MORTE À VIDA