Edição 456 - 09/08/2005

MOBILIZAÇÃO DA CATEGORIA NO DIA 10/8: E FOI DADA A LARGADA!

MOBILIZAÇÃO DA CATEGORIA NO DIA 10/8: E FOI DADA A LARGADA!

Em meio a tantas notícias de corrupção ora envolvendo o mais alto escalão do Governo, parece difícil conservarmos a saúde de nosso bolso. Os escândalos políticos nos chegam com tal velocidade, solapando a auto-estima do cidadão brasileiro, que mal imaginamos em como adquirir o direito que de fato é nosso: a percepção do salário em consonância com o papel que a categoria do BC desempenha junto à economia e à  sociedade brasileira.

Mas não é questão de desanimarmos. O copo está meio vazio ou meio cheio? Depende de nosso poder de mobilização! Não duvidemos da importância fundamental que o Banco Central ocupa nas engrenagens da grande locomotiva que é o Brasil! Sem o MECIR, não haveria distribuição de numerário aos bancos; sem o DEMAB, a negociação de títulos públicos federais pára; e como ficam as reservas internacionais sem o DEPIN? Quem há de substituir nossa ingerência nessas áreas, e em tantas outras que fazem do Banco Central o órgão de excelência e de suma importância que é? Ninguém!

Tomemos consciência de nosso “poder de fogo” e nos unamos na primeira mobilização da campanha salarial de 2005: É amanhã!  Vamos iniciar com um gostoso café e, até às 11h, ficaremos na porta do Banco Central exigindo uma resposta ao nosso pedido de agendamento de reunião c/ o MPOG.

Mesmo que nós, brasileiros, sejamos conhecidos pela “memória curta”, basta olharmos para a campanha salarial de 2004 para lembrar que seu sucesso residiu apenas, e tão somente, na heróica e solidária mobilização de todos.

O Governo tem sua imagem desgastada, está impopular. Alguns acreditam que não é hora de se pedir reajustes salariais; outros, porém, acreditam justamente o contrário: no encalço de melhorar sua imagem junto à sociedade, o Governo contemplaria alguns setores com reajuste salarial, como é o caso, agora, dos militares. Apostemos na 2a opção! Lutemos por ela!

Sabemos que o problema estrutural reside no fato de que o quinhão reservado ao atendimento de interesses financeiros aumenta a cada ano, sendo reservado à folha de pessoal míseros 5% do Orçamento da União. Portanto, o reajuste será concedido àqueles que gritarem mais alto e correrem mais rápido.

Dessa forma, em consonância com a maioria das regionais, SP fará sua paralisação na parte da manhã, a partir de 8h, com café da manhã. Será encaminhado pelo SINAL, para deliberação nacional, um indicativo de paralisação de 24 horas para a quinta-feira da próxima semana, dia 18.08. Em São Paulo, a votação ocorrerá na assembléia a ser realizada às 10h.

Compareça, ajude a engrossar o caldo! Sua participação é importantíssima! A categoria conta com VOCÊ! Sozinhos, somos fracos; unidos, muito fortes!

Edições Anteriores RSS