Edição 0 - 27/04/2004

Boletim n. 381, de 27/04/04

ASSEMBLIA AMANHÇ,

QUARTA-FEIRA, ·S 14 H

AmanhÆ ser  o dia de a categoria acertar os £ltimos detalhes para a greve da pr¢xima quinta-feira, dia 29/04/04.

Declare a sua disposi‡Æo de luta. Apresente suas sugestäes. Compare‡a!ÿ

DAS DIFICULDADES E OPORTUNIDADES

"Conta certa par bola que dois andarilhos, um jovem e outro bem mais velho, chegaram a um humilde s¡tio, no qual pediram abrigo para aquela noite. Logo descobriram que o sustento da fam¡lia provinha, exclusivamente, do leite produzido por uma £nica vaca.

Na manhÆ seguinte, bem cedo, o andarilho jovem surpreendeu o companheiro empurrando aquela preciosa vaca do penhasco. O andarilho mais velho ap¢s ouvir atentamente a dura repreensÆo do mais mo‡o, limitou-se a responder que "era necess rio". Foram embora. O epis¢dio nunca saiu da mente do andarilho jovem, levando-o a se separar do companheiro. O remorso ainda presente fez com que, mesmo passado v rios anos, voltasse …quele s¡tio. Encontrou em seu lugar uma bela fazenda. Perguntou ao funcion rio que estava pr¢ximo ao portÆo acerca daquela fam¡lia que morava ali. Acabou sendo convidado a entrar e esperar o propriet rio da fazenda na sede. Talvez esse pudesse inform -lo.

Para sua surpresa, quem chegou foi o antigo dono do s¡tio que o reconheceu imediatamente e o saudou alegremente. Sem entender nada, aquele andarilho perguntou acerca do que acontecera. O homem contou que, naquela noite em que eles ali estiveram, a £nica fonte de sustento da fam¡lia – a vaca – morreu. E que ap¢s o desespero inicial, a fam¡lia p“de perceber seu potencial e desenvolvˆ-lo. EntÆo, o que durante anos foi um humilde s¡tio transformou-se naquela bela fazenda."

UMA OPORTUNIDADE NO BOJO DA

CAMPANHA POR MELHORES SALµRIOS

De volta ao nosso mundo real, o que temos? Temos uma pauta de reivindica‡äes, j  apresentada ao governo, resultante do descumprimento do acordo estabelecido para a finaliza‡Æo das negocia‡äes do ano passado, que resultaram no PCS de dezembro. O governo federal, em sua proposta final de reajuste salarial para 2004 para os servidores p£blicos da UniÆo, excluiu o Banco Central, entre outras carreiras, alegando o PCS implantado em dezembro.

Conv‚m repetir: no ano passado, ao final das negocia‡äes, ficou acordada entre as partes – o governo federal e o Sinal – a continua‡Æo da Mesa Nacional de Negocia‡Æo Permanente (MNNP), mantendo a Mesa Setorial do BC para avan‡ar na discussÆo dos pontos pleiteados e nÆo atendidos, entre os quais a garantia de recursos equivalente a 3% da folha salarial para o Faspe e a corre‡Æo do final da curva do PCS, sob a alega‡Æo de limita‡äes or‡ament rias ou legais.

Mais do que isso, por interm‚dio do Sr. Vladimir Nepomuceno, Diretor de Programas do Minist‚rio do Planejamento, foi garantida a participa‡Æo do BC no reajuste geral dos servidores deste ano, pois, como esse mesmo interlocutor lembrou, o artigo que vedava esta possibilidade j  havia sido revogado pelo Presidente da Rep£blica. Lamentavelmente, como os fatos do dia-a-dia tˆm comprovado, a palavra deste governo nÆo vale nada, assim como as suas promessas de campanha.

Os funcion rios das carreiras do chamado Ciclo de GestÆo, CVM, Susep e Ipea, que tamb‚m ficaram sem proposta de reajuste, participarÆo, juntos conosco, de uma grande marcha do pr‚dio do BC at‚ o do Minist‚rio da Fazenda, em Bras¡lia, no pr¢ximo dia 29/4. No mesmo dia em que estaremos, de forma organizada, realizando uma grande greve nacional de advertˆncia no BC. Cumpre destacar que o Sinal e as entidades sindicais das categorias das institui‡äes citadas estÆo se organizando para atuar em conjunto pelo atendimento das reivindica‡äes salariais.

Outras categorias como os agentes da Pol¡cia Federal e os auditores da Receita Federal estÆo tamb‚m em greve, mesmo tendo recebido propostas de reajuste salarial m‚dio de cerca de 17% e 10%, respectivamente. As propostas foram recusadas e ambas as categorias exigem piso salarial acima de R$7 mil.

Outras categorias, ainda, fizeram recentemente greve com enorme ˆxito. Por exemplo, os t‚cnicos da Receita Federal, que paralisaram as suas atividades no dia 1ø/4 com adesÆo superior a 90%. Resultado: piso salarial perto de R$4 mil.

Mesmo as categorias contempladas com o reajuste geral j  anunciado pelo governo na MNNP, estÆo insatisfeitas com a proposta, pois o reajuste ser  apenas sobre gratifica‡äes e, tamb‚m por isso, nÆo incidir  uniformemente sobre os vencimentos de ativos e inativos. Resultado: greve nacional j  marcada a partir do dia 10/5.

Mais do que nunca, a percep‡Æo ‚ que neste governo "quem nÆo grita, nÆo leva". E, como conseqˆncia, a £nica linguagem compreendida pelo governo tem sido a greve.

Ao olhar ao nosso redor percebemos que o tempo ‚ de luta. E, tamb‚m, de conquistas.

A pergunta que se coloca para n¢s ‚: nosso tempo ‚ de luta e conquistas ou de dificuldades e reclama‡äes?

A greve que os servidores do BC aprovaram ‚ uma greve de advertˆncia para a Diretoria do BC e ao governo federal, at‚ aqui omissos quanto ao encaminhamento das solu‡äes para a nossa questÆo salarial.  o objetivo. A expectativa, afinal, ‚ a de que a greve nÆo se constitua em advertˆncia para n¢s, servidores desta Casa. Pois, se isso ocorrer, devido a uma baixa adesÆo dos servidores … greve, neste momento crucial, como resultado, veremos acender definitivamente um aviso de perigo para o futuro de nossa categoria.

Como na par bola do in¡cio deste texto, devemos sempre lembrar que as dificuldades podem ser transformadas em oportunidades para novas conquistas. Depende apenas de nossa atitude.

Conselho Regional do SINAL-SP

ÿ

ÿ

ÿ

ÿ

ÿ

ÿ

Edições Anteriores RSS