Edição 0 - 04/07/2008

SINAL-SP INFORMA nº 273, de 04.07.08: Saiu na imprensa / Atendimento jurídico ao filiado / Rede conveniada de descontos

 

 SINAL-SP INFORMA

São Paulo, 04 de julho de 2008 – nº 273

 

217 DIAS

de atraso no cumprimento do ACORDO SALARIAL

 

 

SAIU NA IMPRENSA

Jornal Valor Econômico

Alex Ribeiro – 04/07/08

BC elevará salários para manter pessoal

O governo vai editar uma medida provisória (MP) com reajustes salariais superiores a 50% para tentar estancar a saída de funcionários do Banco Central. Alguns dos servidores mais antigos só esperam o aumento para deixar a casa levando aposentadorias mais alentadas. Nos próximos três anos, 1.773 funcionários do BC devem se aposentar, o que representa 34,5% do quadro de pessoal.

Considerado um centro de excelência no serviço público, o BC sempre perdeu funcionários para a iniciativa privada e para o próprio governo. Alguns nomes conhecidos que deixaram o banco são Gustavo Loyola, Pedro Parente e Fábio Barbosa.

Nos últimos anos, os salários no BC passaram a ficar abaixo dos de outras carreiras de Estado semelhantes. No início de carreira, um analista do BC ganha R$ 7.082,40, bem menos que os R$ 10.155,32 recebidos por um auditor da Receita Federal. A MP pretende elevar, até 2010, o salário inicial no BC para R$ 12,9 mil e a remuneração máxima para R$ 18,5 mil.

BC vai tentar reter funcionários com reajustes de 50%

O governo vai editar medida provisória (MP) para tentar estancar a saída de funcionários do Banco Central. A esperança é que reajustes superiores a 50% retenham os novos talentos, que estão fazendo outros concursos em busca de rendimentos melhores. Alguns dos servidores mais antigos, porém, estão só esperando o aumento de salário para deixar a casa levando aposentadorias mais alentadas.

As estimativas são de que, nos próximos três anos, 1.773 funcionários do BC ganhem o direito de se aposentar, o que representa 34,5% do quadro de pessoal, segundo cálculos do sindicato da instituição. Nesse contingente, estão os funcionários que prestaram concursos públicos no fim da década de 1970, incluindo nomes como o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, e o gerente do projeto de modernização das normas cambiais, Geraldo Magela Siqueira, um dos poucos funcionários que têm na memória a evolução das regras cambiais nas últimas décadas.

O BC ficou sem realizar grandes concursos entre 1977 e 1990, o que criou um vácuo de 13 anos entre as gerações de funcionários. Antecipando um esvaziamento nos seus quadros, o BC acelerou a realização de concursos nos anos 1990. Mas, como os salários pagos pelo BC caíram em relação a outras carreiras do governo, os novos contratados mostraram-se menos fiéis.

Na nova geração, tornou-se comum os chamados "concurseiros" – pessoas que, mal tomam posse no BC, começam a estudar para outros concursos que oferecem salários maiores. De 2007 para cá, 58 funcionários do BC pediram desligamento dos quadros. Desse total, 72,4% tinham menos de cinco anos de trabalho, e 89% estavam há menos de dez anos na casa. De cada 20 admitidos em concursos públicos recentes, um já deixou o BC.

Considerado um centro de excelência no serviço público, tradicionalmente o BC perdeu funcionários para a iniciativa privada e para o próprio governo. Um caso recente foi a perda para o Citibank de Marcelo Kfoury Muinhos, que foi chefe do Departamento de Pesquisa Econômica (Depep), que tem papel central no sistema de metas de inflação, preparando modelos matemáticos e estatísticos. Alguns nomes conhecidos das fileiras do BC são o ex-presidente da instituição e sócio da consultoria Tendências, Gustavo Loyola; o ex-ministro da Casa Civil no governo FHC, Pedro Parente; e o ex-secretário do Tesouro e hoje diretor de finanças da Vale, Fábio Barbosa, ainda um funcionário licenciado do BC.

Nos últimos anos, em particular a partir de 2006, os salários do BC passaram a ficar abaixo de outras carreiras de Estado semelhantes. No início de carreira, um analista do BC ganha R$ 7.082,40, bem menos que os R$ 10.155,32 recebidos por um auditor da Receita Federal. A MP pretende elevar, até 2010, o salário inicial do BC para R$ 12,9 mil, e a remuneração máxima para R$ 18,5 mil. Anteontem, o BC assinou um acordo no Ministério do Planejamento e, nos próximos dias, deverá sair uma MP. Os funcionários do BC, ao lado de servidores de órgãos como o Itamaraty, passam oficialmente a serem consideradas membros de carreiras típicas de Estado.

Com o aumento, porém, funcionários mais antigos devem pedir aposentadoria. "Nossa estimativa é que 60% dos que ganharem a condição de se aposentar acabem se aposentando de fato", disse Marcelo Stalin, do sindicato dos funcionários do BC.

O BC também deve agir para acelerar a reposição de funcionários. "Estamos, em conjunto com o Planejamento, elaborando um plano plurianual de concursos públicos, de forma a permitir uma reposição das perdas por aposentadorias", disse o diretor de administração do BC, Anthero Meirelles. "Existe ainda um ambicioso programa de formação gerencial, que visa formar servidores aptos a suceder aqueles que vierem a se aposentar."

Apesar da perda de funcionários, o BC acha que foi mantida a excelência da mão-de-obra. Hoje, existem 444 servidores com mestrado, 89 com doutorado e 2 com pós-doutorado, o que equivale a 11% do pessoal do banco. Os funcionários do BC assumiram posições mais importantes nos últimos anos. Eles ocupam cinco dos oito assentos na diretoria colegiada, formando a maioria nas reuniões do Copom.

 

ATENDIMENTO JURÍDICO AO FILIADO

Às quartas-feiras, das 10h às 16h, na sede do Sinal-SP, a advogada dra. Jane Barbosa Macedo Silva dá plantão para atender filiados, com horário marcado; para tanto, basta agendar a consulta pelo telefone (11) 3159-0252.

 

REDE CONVENIADA DE DESCONTOS

Leve sempre consigo a carteirinha do Sinal para desfrutar dos descontos oferecidos pelas empresas conveniadas.

Pós Graduação – A Universidade Presbiteriana Mackenzie comunica que estão abertas, até 15/07/08, as inscrições para cursos de especialização Lato Sensu. A instituição oferece aos filiados e funcionários do Sinal, e a seus dependentes, desconto de 10% nas mensalidades, em todos os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e de Extensão, ministrados nas Unidades do Mackenzie, em São Paulo, Tamboré, Campinas, Rio de Janeiro, Brasília e Recife, desde que aprovados no processo seletivo.

[[]]

Processo seletivo por agendamento – O Complexo Educacional FMU/UniFIAMFAAM/FISP, a fim de ampliar aos jovens a oportunidade de estudos em nível superior, está recebendo inscrições para o processo seletivo eletrônico agendado, por meio do qual o candidato faz o exame vestibular de forma individual para os diversos cursos que serão oferecidos no segundo semestre de 2008. O Complexo Educacional está recebendo transferência, com vagas limitadas, para todos os cursos de graduação e cursos tecnológicos programados para o 2º semestre de 2008. Os interessados podem obter mais informações pelo telefone 0800 016 3766 ou acessando www.fmu.br/vestibular.

 [[]]

Ingressos de Cinema:

Unibanco Arteplex SP – Dispomos de convites pelo preço de R$ 9,00, com prazo de validade até 23/10/08. O convite deve ser trocado por ingresso na bilheteria dos cinemas, no Shopping Frei Caneca – Rua Frei Caneca. 569, 3º piso. Consulte aqui a programação.

Rede Cinemark – Não dispomos de convites no momento.

Encomende seus convites por telefone, até às 16h.

 

 

 

SINAL – Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central

Rua Peixoto Gomide, 211 – São Paulo (SP) – Cep 01409-001 / Tel/Fax: 3159-0252

e-mail: sinalsp@sinal.org.br / link para o SINAL-SP: clique AQUI

 

Edições Anteriores RSS