O BRASIL SÓ PRODUZIU UM PELÉ: CHICO BUARQUE

                    Não sou do tempo em que o Dondon jogava no Andaraí, mas participo da RIONET desde que era veiculada através do SISBACEN. E nesses primórdios escalei e divulguei de brincadeira uma utópica seleção brasileira de futebol com meus ídolos. Entre tantos, esse time poderia ter o Cazuza no gol; o Veríssimo e o Cony nas laterais; na zaga o Guga, Paulinho da Viola e o Vinicius. No meio do campo a Malu Mader, Claudia Abreu e os Ronaldos e, na frente, Chico Buarque e Elis Regina. Perguntaram se não havia esquecido o Pelé. Não! Chico Buarque é o meu Pelé.                 Ao contrário da maioria, não descobri o compositor através dos Festivais de Música. Minha casa não tinha televisão. Foi ouvindo uma parada de sucessos que havia na Rádio Globo à tarde.                 Passei a achar que fosse o maior conhecedor vivo da sua obra quando apareceu um programa de perguntas e respostas na Rádio Friburgo em que a maioria das perguntas versava sobre suas canções. Os acertos eram recompensados com materiais de construção. Uma tia, vizinha da minha casa, participante ativa do programa, praticamente construiu uma “meia-água” no quintal com as minhas respostas sobre as questões “buarqueanas”.        Só me dei conta que não era tão bom assim depois que conheci e passei a falar de música aqui no banco com o Luiz Carlos Rocha e o Sérgio Prata. A partir daí, contento-me, como conhecedor do Chico, quando muito, com um longínquo o terceiro lugar.        Experimentei uma única frustração nessa idolatria: quando na diretoria regional da ASBAC soubemos que o artista participaria de um futebol noturno no Campo do Canadá e conseguimos o impossível: através de variados contatos, uma brecha para poucas perguntas – somente sobre música – e duas fotos para o antigo jornal ESPELHO da associação. Atropelei todo mundo para passar a possuir o privilégio de ter sido o primeiro a entrevistá-lo no âmbito do BC. Entretanto, um imprevisto – tipo morte de mãe – impediu de conhecê-lo pessoalmente (sob nenhuma hipótese lhe pediria um autógrafo). Os dias seguintes foram de fúria.        A diferença entre o Chico e a maioria dos artistas é devastadora. Evoluindo no tempo no ritmo da acelerada caminhada realizada diariamente pelas trilhas do Leblon, considera como “desfocadas” da sua obra algumas de suas músicas. Enquanto isso, Roberto Carlos orgulha-se em modernizar o seu novo show com a inclusão de idiotices como “Calhambeque” no roteiro. Chico Buarque, em sua simplicidade, exige em seu camarim após cada apresentação, uma maçã. Substitui o cigarro. Paralelamente, o mesmo Roberto Carlos, num acústico para a MTV, ante a predominância da cor marrom, exigiu a troca de todo o cenário. A cor traz má sorte.        É tão especial que não precisa de inimigos. Possui no seu rol de amizades Nelson Mota e Mario Prata. Como detratores da sua obra nunca surgiu ninguém, ou seja, Lobão, Marcelo Yuka e o escritor Ivan Proença(?). Como letrista genial é tão diferenciado que, em todas as suas músicas, jamais a letra nasceu antes da melodia.          Não dá para ficar falando sobre a obra de um sujeito que definiu saudade  como sendo ” o revés de um parto. É arrumar o quarto do filho que já morreu”. Ou que, da forma mais dolorosa e apaixonada possível, pergunta a amada como é que pode partir “se na desordem do armário embutido / meu paletó enlaça o seu vestido / e o meu sapato ainda pisa no teu”. Millôr Fernandes foi definitivo quando o definiu como a única unanimidade nacional. Entretanto, tenho a nítida impressão que o Chico é tão fantástico que não é ele quem se orgulha por “construir” uma canção. É a música que se sente imensamente feliz em possuí-lo como compositor. Nesse último dia 19 de junho, Chico Buarque completou 60 anos. Avesso a festividades e badalações refugiou-se em casa com ao lado das filhas. Nada mais justo. Até porque em matéria de homenagem só a decretação de Feriado Nacional lhe faria justiça. E também, como apoteose, a realização, na Maracanã, de uma partida do Politheama, seu time de futebol. Quem sabe se dessa vez não se dava um jeito de conseguir uma “vaguinha” pro’ Negão? 

    COMPARTILHAR
    Matéria anteriorA ROSA
    Matéria seguinteATO DE CONTRIÇÃO