SUPERLATIVO

               Li no O Globo que o campo de pelada, na saída do Túnel Rebouças, na Lagoa, no Rio de Janeiro, que era um buraco só, ganhou grama sintética – e, junto, freqüentadores que afastaram a turma do cigarro não-convencional: os guardas municipais que agora estão malhando no ex-Maconhão.            Eu não sei como “rola” nos outros lugares, mas por aqui, temos a mania de apelidar no superlativo.             Um dos primeiros prédios construídos na Cidade Nova, bairro revitalizado do centro do Rio de Janeiro, foi o da Prefeitura. Como o local foi por muito tempo ocupado por prostitutas, a sede da municipalidade carioca é conhecida por “Piranhão”.            Nem a minha “santa terrinha”, Friburgo, está livre da mania: um antigo charco, onde cavalos pastavam, depois de transformado numa “arena” onde são realizados variados eventos, ganhou a horrorosa alcunha de “Pastão”.             Pelo menos na capital paulista é comum "superlativar" o nome das pessoas: Luis vira Luisão; Carlos vira Carlão; Paulo, Paulão. Quando morei por lá, não custei a virar o Marão. Depois de um tempo, o superlativo foi aperfeiçoado: passei a ser Marião. Acho que essa onda de chamar aquele cara que recebe a bola nas costas do marido de “Ricardão” surgiu lá.               Mas quem gosta mesmo de um superlativo é o mundinho do futebol. E não estou me referindo aos nomes dos jogadores, porque existem muito mais “Fabinhos” do que “Fabões”. Contudo, virou e mexeu, tudo termina em “ão”: Brasileirão, Timão, Gauchão, Paulistão, Cariocão, Vascão, Verdão, Fogão, Curingão, Flusão, Mengão, Mecão.             Muitos estádios de futebol tiveram nomes de seus benfeitores políticos – no superlativo – apelidando as praças esportivas. Mas que ninguém julgue mal. Eles juram pela “mãe mortinha” que as ” anônimas, sinceras e despretensiosas homenagens são fruto do anseio popular em agradecê-los e imortalizá-los”: Albertão, Aluizão, Barradão, Batistão, Castelão, Machadão, Serejão, Vivaldão.            Na Copa do Mundo, a África do Sul, quem sabe para se imunizar contra a mania brasileira de "superlativar", variou os nomes dos seus estádios entre a pompa e a complicação: Soccer City, Ellis Park, Mbombela, King Senzangakhona, Kwazulu-Natal. Mas, não teve jeito. Eu ouvi, ninguém me contou, um locutor de TV brasileira, com toda intimidade do mundo, só se referia ao Nelson Mandela Stadium, em Port Elizabeth, como  “MANDELÃO”.

    COMPARTILHAR
    Matéria anteriorTORCEDOR
    Matéria seguintePARAFRASEANDO