Edição 195 – 5/11/2019

Em reunião presencial, CN definirá enfrentamento à agenda de ataques do governo


O Conselho Nacional (CN) do Sinal se reúne no próximo fim de semana, em Brasília, para dar continuidade ao debate dos principais temas, antigos e novos, que afetam os servidores do Banco Central. Na programação do encontro, destaque para a proposta de reforma administrativa que o governo está encaminhando ao Congresso Nacional e as decorrentes ameaças que rondam a categoria.

A matéria que, segundo veículos da grande imprensa, chega à Câmara dos Deputados nesta quarta-feira, 6 de novembro, faz parte de um pacote de medidas com vistas a mais um ajuste fiscal que tem como alvo, novamente, arrochar o funcionalismo.

Para além dos ataques aventados na reforma administrativa – como a flexibilização da estabilidade e o “carreirão” –, a previsão é que a equipe econômica do Planalto encaminhe também a chamada “PEC Emergencial”, que tem como premissa o corte de despesas obrigatórias. Entre as disposições, estaria a redução compulsória de jornada de trabalho com redução salarial. A PEC deve impor, ainda, uma antecipação de gatilhos fixados na Emenda Constitucional 95 (teto de gastos), a exemplo do congelamento das remunerações e vedação a novos concursos.

Enquanto arremata o pacote de maldades e truculências, com vistas a economizar achacando o serviço e o servidor público, o governo já busca alinhar o discurso junto à opinião pública. Em entrevista à Folha de São Paulo, divulgada no último domingo, 3, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou estigmas e a falácia recorrente acerca da classe. “Eles são detestados e temidos pela opinião pública. Ninguém abraça o funcionário público, porque ninguém os vê como servidores, vê como autoridades”, afirmou.

O cenário que se desenha requer de todos nós disposição para a luta, que se prenuncia inclemente. Fique atento. É o futuro de nossas carreiras e do serviço público que está em xeque.

Edições Anteriores