Edição 116 – 13/7/2020

“Por que não é uma boa ideia financiar a prorrogação do auxílio emergencial com corte de salários de servidores públicos?”


Nas últimas semanas, você acompanhou aqui no Apito Brasil, uma série de razões contra a redução salarial dos servidores, em especial neste momento de crise, decorrente da pandemia da Covid-19. Fruto do estudo “Por que não é uma boa ideia financiar a prorrogação do auxílio emergencial com corte de salários de servidores públicos?”, do economista Bráulio Cerqueira, a campanha, em pauta também nas redes sociais do Sinal, apresentou argumentos que desmistificam o discurso populista de que a diminuição das remunerações seria imprescindível para o país superar este momento adverso.

A alegação motiva uma falsa impressão, que, dia a dia, fontes do Executivo e do Legislativo tentam impor à opinião pública, de que o funcionalismo seria um inimigo das contas públicas.

Encerrando a série, trazemos hoje, 13 de julho, o nono ponto levantado pelo economista. Confira abaixo:

9. Não é o corte de salários de servidores públicos que promoverá justiça distributiva, mas a reforma tributária solidária.

Justiça distributiva é deslocar a tributação no Brasil concentrada no consumo, que pesa mais sobre os mais pobres, para a renda e propriedade dos mais ricos, incluindo lucros e juros.

Acompanhe no Facebook e no Instagram do Sindicato.

Veja aqui o estudo completo.

Edições Anteriores