Edição 459 - 19/08/2005

MOBILIZAÇÃO DO DIA 18/08 FOI UM SUCESSO! PARALISAÇÃO DE 48 H DIAS 24 E 25/8/05.

MOBILIZAÇÃO DO DIA 18/08 FOI UM SUCESSO!

PRÓXIMO PASSO:

PARALISAÇÃO DE 48 H DIAS 24 E 25/08

 

Em repúdio ao sucateamento do Banco Central imposto pelo Governo, que se reflete na negativa de retomada da negociação salarial, pendente desde 30/6/05, assim como no encolhimento das Centrais de Atendimento e, recentemente, no vergonhoso roubo ao Mecir de Fortaleza, foi aprovado, em São Paulo, em assembléia realizada durante a paralisação de ontem, dia 18/0805, às 14h (assinaram a lista de presença 84 colegas), com 77 votos a favor, nenhum voto contra e 11 abstenções, o indicativo de paralisação de 48h nos dias 24 e 25/8/05, com assembléia de ratificação no dia 23/8/05.

A categoria precisa de seu apoio para que, todos juntos, vençamos mais essa batalha. Sua participação no movimento é fundamental!

No dia de paralisação, 18/8/05, a Regional contou com 50% de adesão do funcionalismo, um número considerado “bom” para início de mobilização. E tem mais: A caixa-forte do Mecir não abriu!

[[[[[]]]]]

INFORMES DAS REGIONAIS – DIA 18/8/05

Em Assembléia do Rio, foi aprovada paralisação de 48h nos dias 24 e 25, e estado de greve. A avaliação da participação do funcionalismo no Rio está entre 70% e 75% de adesão. O Mecir ficou totalmente paralisado e deserto, com a presença apenas de alguns comissionados. No prédio da ADRJA poucos funcionários circularam.

– Em Salvador, houve a adesão de 50% do funcionalismo.

– Em Curitiba, a adesão do funcionalismo à greve de 24h foi de aproximadamente 60%. 45 servidores assinaram a lista de presença, mas grande parte nem compareceu ao Banco. Houve comissionados na mobilização, a caixa-forte do Mecir fechada, a Secre fechada, o DESUC com apenas dois comissionados. Pouquíssimos funcionários trabalhando. Assembléia pela manhã aprovou, com duas abstenções e 43 votos a favor, por paralisação de 48h nos dias 24 e 25, com assembléia de ratificação na terça-feira, 23/8, às 14h. Deliberou-se ainda, com a mesma votação, pela continuidade de assembléia permanente e estado de greve.

– Em Porto Alegre a adesão à paralisação ficou entre 60% e 70%. O Mecir parado, com a caixa-forte fechada. O 0800 da Central de Atendimento não funcionou. Na contagem dos funcionários dentro do prédio, pela manhã, havia apenas 38 colegas. Considerando a dotação de 187 servidores em POA, o número de 38 representaria 20% de não adesão. Por baixo então, avalia-se a adesão entre 60% e 70% do funcionalismo em Porto Alegre.

– Em Brasília, havia 500 pessoas na porta do edifício-sede do BC; o Presidente do SINAL Regional avalia uma adesão à greve em BSB de 70%, demonstrando que a mobilização ali está muito forte.

– Em BH, a adesão à greve de advertência de 24h foi de aproximadamente 60%. Havia 96 participantes (presença e assinatura na lista), com a caixa-forte do Mecir fechada.

[[[[[]]]]]

MAIS INFORMES

O Presidente Nacional do SINAL, David Falcão, recebeu, ontem, ligação telefônica do Secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão – MPOG, Sérgio Mendonça, informando que está acompanhando a mobilização no BC e sinalizou haver possibilidade de se marcar uma reunião com os servidores. Ele disse que antes precisaria se reunir com a Bancada Governamental que compõe a Mesa Nacional de Negociação Permanente, visando obter orientação e receber parâmetros para a negociação. Disse que, só então, terá condições de marcar reunião com os servidores, na semana que vem. Sérgio frisou, entretanto, que não há possibilidade para a concessão de reajuste salarial para 2005, mas somente para 2006; e falou do encerramento do prazo de encerramento do orçamento no dia 30.08, o que deixaria um prazo muito pequeno para uma negociação. O Presidente do SINAL disse também que esteve com Fleury, Diretor de Administração do BC, o qual adiantou que só haveria possibilidade de reajuste salarial para 2006.

O Presidente do SINAL, ainda em conversa com o Secretário do MPOG, alertou que a mobilização está crescendo e que na semana que vem deverá dobrar de tamanho e amplitude. Falou que a categoria tem mobilização própria e demandas específicas em relação aos demais servidores públicos. Disse que a categoria tem em mente a defesa da Instituição, além das questões salariais, lembrando que nossa campanha é institucional, e em repúdio ao sucateamento do BC, que tem se refletido não só na má remuneração dos servidores, mas também no encolhimento das Centrais de Atendimento e, recentemente, no roubo do Mecir de Fortaleza.

O SINAL, entretanto, avaliou que o telefonema do Secretário não acrescentou nada contundente que justificasse o recuo da mobilização. É importante que se mantenha o indicativo de paralisação de 48h para forçar o Governo a sentar-se na Mesa de Negociação, até porque este Governo só se mexe quando é pressionado.

A categoria deve se manter unida para mostrar ao Governo que estamos firmes na luta pela valorização de nossas carreiras. Não desanimemos. Vamos participar da mobilização!

Próximo passo: paralisação de 48h nos dia 24 e 25/08/05!

Edições Anteriores RSS