Edição 64 - 21/06/2006

Planejamento de carreira

Alex Gelinski – Fonte: site www.rh.com.br, de 19.6.2006.

É comum vermos a preocupação de profissionais com o seu próprio plano de carreira e qual empresa pode lhe apresentar as melhores diretrizes, mas gostaria de abordar o que perde as empresas que não aderem a um plano de valorização e crescimento contínuo dos seus colaboradores. Estudos apontam que as empresas que atingem os melhores índices de crescimento adotam políticas de plano de carreira, mas estas organizações não estão apenas preocupadas com o futuro de seus colaboradores. Além disso, vem a visão holística dos executivos que entendem que uma empresa que desenvolve talentos está dentro do escopo de uma organização viável para o nosso atual cenário de negócios.

Um problema identificado em organizações que encontram bloqueios para se desenvolver é a falha em explorar as habilidades de seus colaboradores. São comuns depoimentos de profissionais que poderiam agregar mais resultados, porém estão limitado a funções que lhes impedem. Nem sempre o crescimento vertical é o que trará benefício para profissional e empresa. Certas horas a troca por outro cargo e salário do mesmo nível hierárquico resulta em resultado positivo, basta identificar as habilidades dos colaboradores a fim de saber onde ele renderá mais. Com isto ambas as partes ganham e não deixa de ser uma melhoria de carreira, pois tal iniciativa poderá impulsioná-lo a galgar uma posição elevada, o que não aconteceria no cargo que antes ocupava.

Para muitas empresas esta é a estratégia para evitar demissões e melhorar o desempenho da equipe. A melhor forma de destrinchar as habilidades dos colaboradores é através de uma análise de competências, onde será identificado o percentual que se utiliza do potencial dos avaliados. As empresas que apresentam maior necessidade deste serviço são de médio porte, pois crescem com rapidez, mas sem organização, o que faz do crescimento muitas vezes o início de uma crise. Em um mercado onde a competição é acirrada, é fundamental estar atento às novas metodologias para potencializar ao máximo as habilidades do conjunto de colaboradores. Muitas vezes até profissionais que desempenham suas função com êxito acabam sendo remanejados, aumentando ainda mais seus resultados.

Analisando do ponto de vista do colaborador nada adianta as reclamações e as indagações de que não está de acordo com modelo de perfil atrativo para empresas que executam a política de planejamento de carreira, pois dificilmente cresce aquele que não se atualiza e não apresenta múltiplas habilidades. Com isto se nota um grande número de profissionais que buscam evolução de conhecimento e este crescimento pode ser mais assertivo quando feito com visão na organização em que se atua. Fazer uma pós-graduação ou uma análise de qual curso agregaria mais valor à sua empresa, parece básico, mas é normal a escolha errada de um curso e tão breve o arrependimento.

Nos últimos anos nosso país alcançou números históricos em exportação, e até mesmo empresas pequenas criaram vínculos internacionais. Com isso, a segunda língua torna-se um valor fundamental, muitas vezes maior que a especialização, pois é um dos atributos necessários para o profissional que visa galgar espaço e aumentar seu valor. O interessante é que dia-a-dia profissionais e empresas reagem bem a este movimento mercadológico. Os que muito reclamam acabam ficando parados, enquanto os demais fazem da crise um degrau de crescimento.

Dica para empresas

Invista no seu setor de Recursos Humanos e não confunda Gestão de Pessoas com departamento pessoal, pois este é um dos maiores erros ainda existentes em muitas organizações em crescimento. Caso sua empresa não tenha profissionais capacitados, contrate uma consultoria apta a lhe apresentar as habilidades escondidas no seu grupo, com certeza se identificará verdadeiros talentos.

Dica para profissionais

Se ainda não fez, pare e coloque no papel seu planejamento de carreira, pense onde você quer estar daqui a 2, 5, 10, 20 anos. Você precisa ter um alvo, seja prudente, mas acredite em seu potencial, atualize-se, estude, leia diariamente, fale duas ou mais línguas e procure amar o que faz.

Edições Anteriores RSS