Edição 74 - 24/07/2006

Mudanças no PASBC/RJ

A pedido dos signatários reproduzimos a matéria abaixo:

A respeito das mudanças no PASBC-Rio e as justificativas do Gerente da ADRJA sobre o assunto, nós, componentes do grupo da Copes-02, sentimo-nos na obrigação de esclarecer publicamente alguns pontos relevantes:

1 – no primeiro trimestre de 2005, alguns funcionários da Copes-02 (mais precisamente 6) se propuseram, com a anuência da Chefia e concomitante às suas tarefas cotidianas, a elaborar um projeto que contivesse medidas concretas para preservação, economia e mais eficiência de nossa área de saúde;

2 – ao final do primeiro semestre o trabalho foi finalizado e entregue à administração do Banco (clique aqui para ler o texto em sua íntegra), mais precisamente ao Depes, que até hoje não se manifestou. A única resposta da administração, até o momento, foi o parecer desfavorável do Gerente da ADRJA ao encaminhá-lo ao Depes;

3 – como síntese do projeto, podemos destacar a deficiência na estrutura administrativa e a necessidade de algumas providências na área de controle e fiscalização de procedimentos cirúrgicos, quimioterápicos e internações longas. Como solução para a estrutura, propusemos a criação de uma gerência técnica específica para a área de saúde, que abrangeria duas coordenadorias: Assistência à Saúde (PASBC) e Saúde Ocupacional. Essa estrutura se adequaria aos padrões hoje adotados pelo mercado de autogestão em saúde;

4 – de lá pra cá (cerca de um ano), em diversas oportunidades, renovamos nossos apelos para que os dirigentes do Banco fossem sensíveis à necessidade de reformulação (modernização, aperfeiçoamento, diminuição de custos) na nossa área de saúde. Como resposta veio essa recente mudança com a extinção de uma coordenadoria;

5 – queremos frisar que nada tem a ver com nossa proposta o objetivo da mudança realizada. Insistimos em explicar (agora publicamente): a criação de uma gerência específica com duas coordenadorias responsáveis pela qualidade da saúde dos servidores, implica em 100% de dedicação desses comissionados às questões da saúde. O que é bem diferente de um coordenador acumular PASBC além de registros funcionais (Copes-01) e o ambulatório ser gerenciado/supervisionado pela Gerência da ADRJA, que, supomos, possui inúmeras outras atividades de relevância a concorrer com o ambulatório.

Assinam:
Arlei da Silva
Elizabeth A. Bastos
Evelton C. Serafim
Fábio R. Correa
Maria Crhistina S. Lima
Michelangelo Privitera
Pierre Ferraz
Rogério F. Lima
Rosana Jacobina
Sérgio Coelho
Suzete Leite

Edições Anteriores RSS