Edição 0 - 18/09/2006

SINAL-SP INFORMA nº 60, de 18/09/06

 

 SINAL-SP INFORMA

São Paulo, 18 de setembro de 2006 – nº 60

 

ABAIXO-ASSINADO DO AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO

Foi expressiva a quantidade de servidores do BC em São Paulo que aderiram ao abaixo-assinado que visa buscar a paridade com os servidores do Poder Legislativo e do Poder Judiciário no que se refere ao valor do Auxílio Alimentação. Em três dias, o SINAL-SP obteve a adesão de 593 servidores, o que demonstra a importância do assunto em nosso meio. A documentação foi encaminhada, na última sexta-feira, para a Associação Nacional dos Servidores da Previdência Social – ANASPS, em Brasília, que se incumbirá de dar prosseguimento ao assunto. 

 

SINAL-SP NA IMPRENSA

No último dia 15/9, foi publicada no Painel do Leitor, no jornal Folha de São Paulo, carta do presidente do SINAL-SP sobre a questão do spread bancário. Confira no quadro abaixo.

 

 

PAINEL DO LEITOR

Feriado na Bahia

"Fiquei surpreso ao verificar, alertado por outros colegas juízes, que meu nome foi veiculado na reportagem "Bancos pagam feriado na praia para 47 juízes" (Brasil, 11/9). O texto critica a atitude da Febraban e dos juízes que aceitaram o convite para participar de um congresso em Comandatuba, tanto que, em certo momento, diz: "A Folha foi convidada para o evento, mas pagou as despesas do repórter". Nada obstante, eu não participei desse evento. Declinei do convite que me foi feito. Lamentavelmente, o repórter da Folha deixou de verificar isso, o que poderá, a qualquer momento, ser confirmado pelos organizadores do evento."
NOEVAL DE QUADROS, desembargador integrante da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (Curitiba, PR)

Resposta do jornalista Fernando Rodrigues – A lista dos presentes em Comandatuba foi produzida pela Febraban.

"Na reportagem "Bancos pagam feriado na praia para 47 juízes", a Febraban tentou passar uma idéia equivocada de que o "spread" no Brasil é baixo em razão dos custos administrativos. Na verdade, esses custos não repercutem no "spread" porque são cobertos com folga pelas tarifas. O valor das tarifas é extremamente elevado, e os pacotes de serviços oferecidos muitas vezes extrapolam as reais necessidades do correntista. É de se ressaltar que, em média, um terço do lucro dos bancos vem da cobrança de tarifas."

DARO MARCOS PIFFER, presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central – Regional São Paulo (São Paulo, SP)

Fonte: Folha de São Paulo, 15/09/06

 

SINAL – Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central

Rua Peixoto Gomide, 211 – São Paulo (SP) – Cep 01409-001

Tel/Fax: 3159-0252 / e-mail: sinalsp@sinal.org.br

 

Edições Anteriores RSS