Edição 0 - 24/05/2007

SINAL-SP INFORMA nº 143, de 24.05.07: Assembléia às 10h, dia 25.05 / Uma convocação de ordem moral

 

 SINAL-SP INFORMA

São Paulo, 24 de maio de 2007 – nº 143

 

 

ASSEMBLÉIA NESTA SEXTA-FEIRA, 25/05, ÀS 10H        

Nesta sexta-feira, haverá assembléia às 10h, para deliberarmos os rumos do movimento.

Compareça e participe!

 

UMA CONVOCAÇÃO DE ORDEM MORAL

Indignação e revolta contra os representantes do Banco Central – que se colocam sempre como "governo" na Mesa de Negociação, foi o que mais se ouviu dos presentes à assembléia realizada nesta quinta-feira, em São Paulo. Não é para menos.

Na ótica do governo, são dias "parados", portanto passíveis de desconto pecuniário, aqueles durante os quais os servidores, em greve, lutaram para ver respeitados seus legítimos direitos. Na acepção dos servidores, são dias "de greve", portanto perfeitamente justificados face à irresponsabilidade do governo no trato da questão salarial no Banco Central em relação às entidades congêneres. Como bem colocado por um participante, foi o governo – que se fez de surdo -, quem arrastou a categoria para a greve. Por que então quer agora punir os servidores como se tivessem praticado um delito? A categoria não aceita esse tratamento injusto!

O direito de greve no serviço público ainda está em discussão, envolvendo inclusive o Supremo Tribunal Federal. Nossa greve não foi considerada em nenhum momento ilegal. Por que então a punição? Aceitá-la é admitir que cometemos um erro – como parece ser a opinião dos representantes da cúpula do Banco Central, os quais, apesar de entenderem perfeitamente as nossas necessidades, que aliás coincidem com as deles, fazem ouvidos moucos a esta constatação, não nos defendendo perante o governo ou, o que é pior, se omitindo atrás do muro.

Ao colocar em discussão o desconto pecuniário dos dias de greve, o governo quer desviar o foco principal do nosso movimento que é o da recomposição salarial. Que seja assim, então: agora temos que discutir conjuntamente a proposta de recomposição salarial apresentada pelo governo, atrelada ao tratamento que este quer dar aos dias de greve dos servidores do Banco Central.

A categoria não pode se furtar ao embate a que ora se propõe. É por meio da continuidade da greve e da sua ampliação que podemos demonstrar ao governo que não nos dobramos às suas reiteradas injustiças para conosco.

Esta é uma convocação moral para todos aqueles que ainda não aderiram ao movimento ou que, por qualquer motivo, se desligaram dele: posicionem-se a favor dos grevistas; que cruzem também os braços e se recusem a colaborar com esta injusta situação!

O benefício que se pretende alcançará a todos, daí a necessidade de que todos se posicionem a favor daqueles que estão lutando bravamente por todos.

Conselho Regional do Sinal-SP

 

A GREVE EM SÃO PAULO

A greve continua forte em São Paulo. Na assembléia realizada nesta quinta-feira, dia 24/05, com a participação de 262 servidores, conforme a lista de presença, foram aprovadas as seguintes propostas:

a)    Manutenção da greve, com rejeição à proposta do governo quanto aos dias parados; continuação das negociações e gestões sobre os dias parados visando o pagamento integral e o não desconto dos dias de greve. A aprovação foi por amplíssima maioria;

b)    Moção de repúdio aos colegas que não se manifestem de forma inequívoca contra a ameaça de punição pelos dias de greve. A aprovação foi por 246 votos a favor, 6 votos contra e 10 abstenções.

 

 

 

SINAL – Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central

Rua Peixoto Gomide, 211 – São Paulo (SP) – Cep 01409-001

Tel/Fax: 3159-0252 / e-mail: sinalsp@sinal.org.br

 

Edições Anteriores RSS