Edição 57 - 25/05/2007

Querem nos fazer de palhaços

Caiu a máscara. Numa encenação de 3ª categoria, 

Governo e direção do Bacen revelam sua falta de princípios e submissão

 

Na noite de 4ª. Feira, o Secretário do PMOG, Sergio Mendonça, em reunião com o SINAL e demais entidades sindicais, garantiu, em alto e bom som, que seria oferecido para os briosos companheiros da Policia Federal, "o mesmo que havia sido oferecido a nós, ou seja, reajuste apenas em 2008".

Menos de 24 horas depois somos surpreendidos com a notícia da concessão da 1ª parcela para a PF a ser paga em setembro de 2007. Isso é que é ter palavra. Durante as negociações esses senhores sempre afirmaram que, por problemas orçamentários, não concederiam reajuste em 2007, a ninguém, que era posição de Governo, no que sempre foram corroborados pelo nosso "eficientíssimo" Diretor de Administração.

Outra mentira deslavada desse Governo é que todos os reajustes concedidos seriam encaminhados por projeto de lei. O acordo da PF prevê a elaboração imediata de uma Medida Provisória.

Mas uma coisa não podemos negar, quem tem padrinho não morre pagão. Ontem pela manhã, se reuniram os ministros da Justiça, Tarso Genro; do Planejamento, Paulo Bernardo e o presidente Luís Inácio Lula da Silva, para discutir o reajuste da PF.

Enquanto isso, nós temos do nosso lado o "empenhado" Presidente Meirelles, que ainda deve estar aguardando o momento oportuno e o "intrépido" Diretor Gustavo, que foi de grande valia ao assessorar o Governo na questão do desconto dos dias parados. Quem tem amigos assim, não precisa de inimigos. Não é por outro motivo, que o funcionalismo do Banco Central vem tendo perdas financeiras sucessivas por exclusiva falta de postura da Diretoria do BC.

E agora, Secretário Sergio Mendonça? E agora, Meireles e Gustavo? O que vão dizer? Qual a próxima encenação? Cadê a palavra empenhada?

De nossa parte, só nos resta dar ao fato a gravidade que ele merece, pois estamos há um mês em tratativas, comparecendo com seriedade às reuniões da Mesa, oferecendo alternativas e negociando todos os pontos possíveis, mas de uma coisa eles podem ter certeza, tem um ponto que nunca negociaremos – a nossa dignidade.

Hoje nossos representantes procurarão o Governo e o Diretor Gustavo e quem mais estiver envolvido nesse processo, para dizer que não aceitamos novamente ser tratados como "bobos da corte" e que exigimos tratamento igual. Eles terão a autoridade e a cabeça erguida que a nossa paralisação nacional lhes delega. Pena que o outro lado não possa se sentir assim.

Queremos tratamento igual. Reajuste em 2007 e nenhum desconto.
A GREVE CONTINUA! Assembléia – 10 hs

 

Edições Anteriores RSS