Edição 66 - 11/06/2007

Não nos resta outra opção

Não nos resta outra opção

Na sexta feira, a reunião entre o Presidente Meirelles, o Sinal e demais entidades sindicais, não trouxe grandes novidades, mas apontou para a etapa derradeira.

As lideranças sindicais colocaram o quadro de tensão e de expectativa por que passa o funcionalismo, mas reafirmaram que a nossa disposição de luta continua de pé.

O presidente por sua parte informou que buscou interlocutor e fez gestões pelo retorno da Mesa de Negociação, que deverá ocorrer amanhã, 3ª. feira, as 17h30m, e que, acreditamos, será decisiva, desde que o Governo não abra sua "caixinha de maldades".

Tudo se encaminha para um desfecho num quadro que pode ser positivo para nós. Se nos últimos dias Meirelles fez realmente valer o seu peso político é provável que tenhamos um forte elemento político a nosso favor, mas, no quadro atual, depois de 38 dias de greve, nada nos surpreenderá.

Na Mesa se mede, antes de tudo, a força política e de mobilização da categoria, além do poder de argumentação e de persuasão dos negociadores.

Quanto a esse elemento – o poder de fogo de nossos negociadores -, não há o que temer, sáo companheiros testados no calor da batalha de várias greves e estão bem preparados.

Quanto a nós, aqui na porta do Banco, não resta alternativa a não ser continuarmos a fazer uma greve exemplar. Nesses dois dias, hoje e amanhã, ela não pode perder uma grama sequer, pelo contrário, tem que engordar. São dois dias que podem valer por dez anos.

Não entra ninguém, ou seja, os que têm caráter. Quanto à minoria, os que vivem "na aba", ou aqueles que se acham "imprescindíveis", terão agora uma boa chance de se recuperar. Nesse momento, imprescindível mesmo é pensarmos coletivamente e demonstrarmos a nossa força máxima.

Nesses dois dias, quem ousar entrar tem que ser questionado e convencido a ficar do lado de fora, com todos os argumentos possíveis.

Que ninguém se engane, nós seremos o combustível que alimentará nossos companheiros durante a negociação na Mesa. Não nos resta outra opção.

Assembléia – Hoje
14h30m – Saguão da ADRJA

Edições Anteriores RSS