Edição 0 - 02/10/2002

Ainda há chance de mudar

EMERSON KAPAZ
Folha de SÆo Paulo – 02/10/2002
Vocˆ conhece as propostas de algum candidato a deputado federal? Em quem vocˆ vai votar para
deputado estadual? Essas perguntas vˆm sendo formuladas com frequˆncia cada vez maior nas
conversas entre os eleitores, principalmente os mais jovens. Feitas a poucos dias das elei‡äes, as indaga‡äes refletem mais do que desconhecimento generalizado sobre as candidaturas. Elas revelam
a falta de consciˆncia da grande maioria do eleitorado sobre a importƒncia da Pol¡tica (assim mesmo, com P mai£sculo) e dos pol¡ticos do Poder Legislativo.  verdade que estamos todos preocupados com as elei‡äes para presidente e governadores de Estado. As candidaturas das oposi‡äes se mantˆm na dianteira do processo eleitoral, o que aponta para mudan‡as certamente positivas na condu‡Æo do
Brasil e no destino dos seus cidadÆos.
Mas n¢s, agentes que somos dessa mudan‡a, enquanto eleitores, esquecemo-nos de que a renova‡Æo de dois ter‡os do Senado e da totalidade da Cƒmara dos Deputados e das Assembl‚ias Legislativas ter  uma profunda repercussÆo no cen rio nacional nos pr¢ximos quatro anos.
O Congresso Nacional dar  as cartas nos assuntos mais decisivos, como as reformas pol¡tica,
tribut ria, previdenci ria, trabalhista e do Judici rio. SÆo mudan‡as indispens veis para modernizar o Brasil e coloc -lo em condi‡äes de crescer e distribuir renda num mundo irreversivelmente
globalizado e cada vez mais desigual. A responsabilidade dos congressistas aumenta num momento em que j  nÆo ser  poss¡vel governar por meio de medidas provis¢rias. A pauta do Congresso
finalmente se abrir  para a tramita‡Æo das proposi‡äes dos pol¡ticos, e nÆo apenas daquelas emanadas do Executivo.
Se os pol¡ticos que compuserem o pr¢ximo Congresso nÆo tiverem boas propostas e igualmente
capacidade de gestÆo e eficiˆncia na negocia‡Æo e na articula‡Æo pol¡tica, o Legislativo nÆo
conseguir  avan‡ar com rapidez no rumo das mudan‡as desejadas. Novamente perderemos tempo
em aprofundar as conquistas da democracia, com a diferen‡a de que, desta vez, a responsabilidade
recair  sobre o Congresso e sobre n¢s, eleitores, que o vamos eleger.
As Assembl‚ias estaduais votarÆo leis relevantes, em questäes como seguran‡a p£blica, amplia‡Æo de
estradas, ped gios, desenvolvimento regional e melhorias em educa‡Æo, sa£de e meio ambiente. Isso exigir  do eleitor uma dose de responsabilidade muito maior do que a imaginada na hora de escolher seu deputado estadual. Ainda temos alguns dias pela frente para voltarmos nossa aten‡Æo …s elei‡äes proporcionais e nos preocuparmos em escolher os pol¡ticos com visÆo de futuro, projetos, id‚ias sobre desenvolvimento e distribui‡Æo de renda e compromissos com reformas estruturais, para podermos elevar minimamente a qualidade dos legisladores que irÆo nos representar.
Nesse particular, ser  decisiva a importƒncia da imprensa e dos formadores de opiniÆo. Eles tˆm dado pouca ou nenhuma visibilidade a esta parte das elei‡äes que ser  tÆo fundamental para o
reerguimento do pa¡s.
 imperioso mudar de postura, para ajudar o eleitor nas escolhas que se revelarÆo tÆo importantes quanto a do pr¢ximo presidente da Rep£blica e dos governadores.

Edições Anteriores RSS