A TEORIA NA PRÁTICA É OUTRA!

            Trabalhou um contínuo contratado aqui no BC que durante as assembléias do setor sobre as mais variadas “abobrinhas”, sempre surpreendia a platéia com argumentos de lógica insuperáveis. Depois concluía de forma filosófica: “A teoria na prática é outra!”.Inspirado na sua filosofia andei recuperando fatos e registrando alguns exemplos.            Tenho um cunhado que afirma que de uma cozinha com aparência muito limpa, fogão  brilhando, cortina rendada adornando a janela, não sai comida boa. Na mesma linha, diz um amigo que restaurante árabe para ser bom, o dono deve circular entre os fregueses com o avental sujo, o ambiente ser enfumaçado e possuir paredes engorduradas.             Meu pai, um eficiente “mulherólogo”, afirmava que as baixinhas, de pernas gás grossas e caladas, são verdadeiros vulcões. Enquanto as altas, pernas finas e espalhafatosas, são pavios apagados.  No quesito homem, dizia que tinha pouco conhecimento, mas acreditava nos destemidos e calados. E concluía: “o sonho de consumo das mulheres são os militares. Principalmente, “os cabra macho” e os “come quieto”.          Já se passaram 100 dias desde o início do governo Dilma e a presidenta está com popularidade ecorde para início de governo. Bem na linha do seu jornal, O Globo, Ricardo Noblat, antecipou-se à data, e tentou desmerecer Dilma Roussef quando ministra, publicando um artigo do qual pinço os trechos mais desabonadores na opinião dele.             “…Mesmo que reconhecesse um erro no trato com subordinados, não pede desculpas; “… Um burocrata ouviu dela mais de uma vez em reunião com outros colegas: “não diga nada. Você só fala besteira…”; Certa vez, reunida com empreiteiros, levantou-se da cadeira e decretou: “Vocês tem dez minutos para se entender e baixar o preço”. Voltou sem que tivesse havido entendimento. Enquanto esteve fora da sala telefonou para o ministro da Defesa e acertou que o batalhão do exército se encarregaria da obra. Os empreiteiros foram embora chupando dedo.”… Saca aquele tipo de executivo controlador, detalhista, que quer saber de tudo e dar a última palavra sobre qualquer coisa? Há dias que a última palavra é dela como presidenta. E não há o mais remoto sinal que deixará de ser assim… “”…. A literatura sobre administração de empresas e líderes criativos não reserva elogios a gestores do estilo exibidos por Dilma. …Recomenda delegação de tarefas, estimula ao conflito de opiniões e a criação de um ambiente movido a entusiasmo – a medo, nunca…”Se na teoria divulgada pelo Noblat (que nunca a viu de perto) Dilma é um “sargentão”, penso que, na prática, ela poderá se tornar uma excelente presidenta.