CENSURA NUNCA TEVE HUMOR

    <!– /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Verdana; panose-1:2 11 6 4 3 5 4 4 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:swiss; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:536871559 0 0 0 415 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}a:link, span.MsoHyperlink {color:blue; text-decoration:underline; text-underline:single;}a:visited, span.MsoHyperlinkFollowed {color:purple; text-decoration:underline; text-underline:single;}p {mso-margin-top-alt:auto; margin-right:0cm; mso-margin-bottom-alt:auto; margin-left:0cm; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>Meus amigos, diante da revolta geral, que tambémassumo, contra uma certa lei, ou decreto, que estaria agora a querer impedirque humoristas, de rádio ou Tv, cartunistas, e afins, não retratem pelo humoros candidatos a qualquer cargo eletivo resolvi pesquisar a fundo o assunto. Jáhouve até passeata contra esta indignidade e mais movimentos ocorrerão, comcerteza, pois não se pode aceitar nenhum tipo de censura .Achei estranho isso tudo e para saber a origem destadecisão, de onde ela saíra, desde quando fora posta em vigor, qual a suaautoria, etc, mergulhei com a minha curiosidade habitual para desvendar este”mistério”. Cheguei a pensar, como muita gente, que fora o atual governo quetomara tal atitude, (será que não foi mesmo?!) mas achei um contra senso e umaburrice ímpar, em sendo verdade. Pois bem, após ler muita coisasobre o assunto, selecionando isto e aquilo, esbarrei no blog de um conhecidopublicitário, humorista, escritor, cartunista e repórter. Seu nome, DaniloGentili. Ele integra a excelente equipe que apresenta o programahumorístico/jornalístico, CQC (CUSTE O QUE CUSTAR), pela TV Bandeirantes, àssegundas.  Assisto sempre e considero umprograma conduzido de forma inteligente e que explora a crítica em geral,especialmente a política, inovando na forma de abordagem nas entrevistas. Gostomuito. Sei que eles não atendem ao gosto geral porque as pessoas estão maisacostumadas com aquele humor que é sempre comportadinho, e eles inovarammesclando jornalismo com humor, temperando o programa com pitadas de ousadia emmuitas perguntas.  Danilo se dirigiu por primeiroao Poder Legislativo pedindo informações sobre a tal lei “da mordaça” pra cimados que fazem humor. Obteve deles a resposta de que o assunto estava sob aalçada do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Deste Órgão chegou-lhe ainformação de que o assunto deveria mesmo ser tratado no âmbito do PoderLegislativo. Ou seja, bola vai, bola vem, e o jogo de empurra parece que vaiter prorrogação, pênaltis e tudo o mais a empurrar com a barriga. Li muito do que lá se encontra eque os amigos que se interessarem poderão também ler. Indicarei o link ao finaldeste texto. A verdade que acabou sendo informada é que existe uma lei, mas aprovadano Congresso no ano de 1997, não agora. E, como diz o próprio Danilo no seublog: “O objetivo do artigo 45 da lei 9.504 é proibir a sabotagem e osprejuízos à imagem dos candidatos durante o processo eleitoral. Atualmente, oTSE (Tribunal Superior Eleitoral) entende que “caricaturizar” um candidato éuma ameaça, e não o ofício do humorista.””Segundo o professor de Direito ConstitucionalGustavo Binenbojm, existem duas formas de essa lei ser revertida: 1) OCongresso Nacional corrigir a redação atual  para permitir a existência desátiras sobre candidatos; 2) O entendimento do TSE sobre o que a lei determinagarantir a liberdade necessária aos programas de humor.”A mim parece que isto resume tudo. Entendo eu jamaisesta lei que rege a matéria em questão pretendeu fazer uso de censura. Querdizer, julgo que não, pois até hoje quem faz humor, no rádio, na TV, oscartunistas, não haviam sido ameaçados com alguma censura. Todavia, agora, derepente, alguém, ou alguns, que não se declararam ainda culpados, acharam porbem de trazer à tona esta excrescência.Sobre isso Danilo escreveu: “A boa justificativaé que a lei existe desde 1997 e não se restringe apenas aos programas de humore sim a todo programa transmitido na TV e no rádio. Ufa! Agora sim respiroaliviado! A censura não é de agora. Ela tem mais de 10 anos e é muito maisabrangente do que o meu questionamento. Boa resposta TSE! Segundo o Tribunal aresponsabilidade é do Congresso.”Vejam que a tal “censura” que se está combatendo nãotem como objetivo apenas a candidata do Governo à Presidência, ou a seuscandidatos a outros cargos eletivos, mas, repito, a todos os políticos quesaíram candidatos para as próximas eleições, sejam de que partido forem.Repito, todos. Nada justifica tanta estupidez. Vou destacar aqui uma citação, entre tantas, que linaquele blog, porque gostei e porque a acho inteligentes: “Agora é contra alei ridicularizar o candidato. Então, lembre-se: por mais ridículo que eleseja, guarde segredo.”Embora ainda existam por aí alguns saudosistas dotempo e dos métodos da ditadura, e eu conheço alguns poucos, nós, democratas,não podemos ficar calados, ou enfiar o rabo entre as pernas, ou meter a cabeçano buraco. Temos sim que levantar a cabeça e erguer nossa voz bem alto,bradando nosso grito de revolta, de repúdio a qualquer tentativa de retrocessono processo da nossa jovem e ainda frágil democracia. Portanto, abaixo acensura, venha ela de onde vier.Vou encerrar tomando “emprestadas” mais essaspalavras com que Danilo Gentili fecha em seu espaço o assunto “Humor semCensura” e por estar plenamente de acordo com o que ele diz:”Caros Legislativo e Judiciário: nós nãocumprimos as leis para servir a vocês. Ao contrário: vocês é que criam efiscalizam as leis para servirem a nós. E não queremos essa lei em questão. Sim, vocês,nossos funcionários, podem acabar com ela. Nós, que pagamos seus salários (queé maior que o nosso), não queremos essa lei. Não queremos que ela exista, nãoqueremos que ela nos limite e não queremos ser punidos por ela. Então qual ajustificativa para ela continuar existindo? Somos o patrão. Acabem com essalimitação já. Simples assim.”Quem desejar ler o que aquireproduzi e muito mais que lá se contém no espaço de Danilo Gentili, a quemcumprimento pelo trabalho e pela coragem, basta clicaraqui.