OK?!

    Li na internet que em uma pesquisa, o “oquei” foi eleito a palavra mais falada e digitada do planeta. A expressão, que foi criada por um jornal de Boston, se propagou a ponto de ser reconhecida em qualquer parte do mund0. O jornal tinha o hábito de transformar expressões em siglas, ou seja, novas palavras compostas apenas pelas iniciais. Em março de 1839, trocou as primeiras letras do termo “all correct” (tudo certo), de acordo com o som dele: “OK”.   Não sou ninguém para duvidar do lingüista americano Allan Metcalf que realizou a pesquisa e até publicou livro sobre o assunto. Mas, imagino que existam outras palavras que disputem, “cabeça com cabeça”, a “pole position” com o “oquei”. A primeira palavra que me surgiu como a mais difundida do mundo, com pequenas variações, foi “amor”. Escreve-se e pronuncia-se “amore” em italiano, “amor” em espanhol, “amour” em francês (ou seria l’amour?) e “amor” em latim.   Mas, ao me tocar que em inglês amor é “love”, fui procurar como seria em romeno. O resultado foi “dragoste”, cuja pronúncia é próxima da grafia.           Continuei a traduzir e ouvir no Google a pronúncia de outras palavras que considero de “fama internacional”, como por exemplo, o “tchau”. A pesquisa mostrou que em grande parte das línguas o “tchau” se transforma em “bye-bye”, ou simplesmente “bye”. É óbvio que em determinadas línguas como o armênio (օրոր) e o chinês (再見) a grafia ganha características próprias e os respectivos sons são próximos de “orô” e  “Zàijiàn”.              Eu recomendaria uma disputa entre o “OK” e “Coca-Cola”, em “melhor de três pontos”, como se fazia antigamente entre dois times de futebol para ver quem era o melhor. Experimentei grafia e pronúncia dos dois vocábulos e a disputa é digna de Brasil x Argentina. Na maioria das línguas ambos os vocábulos são pronunciados e  grafados como no original  (presumo que por ser marca própria, a grafia da palavra não permita variações. Mas existem Cokie e Koka Kola. Quanto à pronúncia, são mínimas as alterações.            Em dois filmes que assisti “Um Ato de Bondade” – uma produção israelense falada em hebraico – e “A Partida” – originário do Japão e falado na língua nativa – há citações de bebês chamando por suas mães. O som, em ambas as línguas, foi o mesmo: “mã-mã”. Não tenho dúvida que o vocábulo mais falado do mundo é “mã”, que é o primeiro som emitido por qualquer criança para chamar a mãe. As grafias é que são diferentes.            Esgotadas as minhas opções, sem nenhum resultado prático, pedi a minha filha que pesquisasse outras palavras.  Ela concordou, mas colocou uma condição: “vou pesquisar a partir de palavras mais modernas, globalizadas, como “internet” e twiter, “tá OK?” –  “Tá “OK!”