Edição 111 – 6/7/2020

“Por que não é uma boa ideia financiar a prorrogação do auxílio emergencial com corte de salários de servidores públicos?”


O Apito Brasil traz hoje, 6 de julho, o sexto argumento apresentado pelo economista Bráulio Cerqueira contra a redução remuneratória dos servidores públicos, tema recorrente na agenda do Legislativo e desejo antigo da equipe econômica do governo.  Confira abaixo.

  1. Reduzir sem necessidade salário de servidor público é escolha ideológica.

Ao injetar mais de R$ 1,2 trilhão no mercado financeiro, o governo não cogitou ampliar a taxação de lucros ou reduzir salários dos diretores de bancos. No entanto, para prorrogar o auxílio emergencial necessário à defesa da vida da população, aventa-se contribuição dos trabalhadores do serviço público que:

  1. I) estão à frente da prestação de serviços à população;
  2. II) sofreram redução de renda este ano em função da majoração das alíquotas previdenciárias; e

III) estão com salários congelados até dezembro de 2021.

A publicação é tema de campanha nas mídias sociais. Acompanhe pelo Facebook e pelo Instagram.

Veja o estudo na íntegra.

Edições Anteriores