Edição 0 - 19/12/2002

PARECE QUE FOI ONTEM …

Ano de 1977. Ainda sob os reflexos do regime militar, um grupo de jovens sonhadores invade o
Banco Central. Grande parte desses jovens trazia viva a chama da rebeldia, a consciˆncia de que a
liberdade era um bem precioso, que precisava ser conquistado passo a passo. Assim, participamos
ativamente de todos os movimentos realizados pela sociedade, como “O Petr¢leo ‚ Nosso”, em defesa
da PETROBRµS, “Diretas J “, exigindo elei‡äes diretas para Presidente, passeatas contra o fim do
BNH e outros movimentos ao longo desses anos. Dentro do Banco desenvolveu-se um esp¡rito de
camaradagem entre os colegas, apesar do sistema de “castas”: Bois, Asas, Conferentes, Cont¡nuos,
Vigilantes, Carreiras Especializadas, comissionados e nÆo comissionados. Am vamos os Beatles e os
Rolling Stones, Roberto e Erasmo, Chico e Caetano. O Pasquim era a B¡blia de todos n¢s. Casamos,
criamos nossos filhos, sobrevivemos a v rios planos econ“micos e tamb‚m a v rios PCS’s,
reestrutura‡äes, Votos Dirad e afins. Enfrentamos filas para comprar carne e feijÆo, fizemos greves, boicotes e apita‡os. Viramos funcion rios p£blicos, fomos “extuncados”, perdemos nosso fundo de pensÆo, mas nÆo nos entregamos. Sentimos que somos uma gera‡Æo que lutou por um mundo melhor. NÆo nos refugiamos dentro das muralhas de um emprego seguro, considerado de elite. Se ao longo desses anos nÆo tiv‚ssemos efetivado o exerc¡cio do di logo, da compreensÆo, da flexibilidade, da negocia‡Æo e, at‚ mesmo da compaixÆo, nÆo ter¡amos sobrevivido. Estamos no ano de 2002.
Estamos em um novo s‚culo, por isso mesmo somos pessoas que aprenderam o sentido da renova‡Æo
e de uma convivˆncia mais justa. Temos associa‡äes, fazemos outras, temos sindicato, lutamos juntos, temos a n¢s mesmos e nos reinventamos a cada momento, porque somos loucos e por isso mesmo cada vez mais felizes. Hoje vemos o despontar do novo dia com que sempre sonhamos, com um presidente sa¡do do meio do povo. Esperan‡a ‚ a palavra de ordem. NÆo pod¡amos desejar
cen rio melhor para comemorar nossos vinte e cinco anos de Banco. E ‚ com o cora‡Æo repleto dessa esperan‡a que invade todo o Pa¡s que dizemos: Valeu a Pena!

Cl‚a Carneiro (SINAL) e Eunice Borges(Decec) – ambas do concurso de 1977

Edições Anteriores RSS