Edição 0 - 09/04/2007

SINAL-SP INFORMA nº 107, de 09/04/07 – HOJE Eleições (leia o texto da chapa INTEGRAÇÃO) e Assembléia

 

 SINAL-SP INFORMA

São Paulo, 09 de abril de 2007 – nº 107

 

 

NESTA TERÇA-FEIRA, DIA 10/04/07 – DOIS EVENTOS

1)      Eleições do SINAL-SP

Conforme já divulgado, as eleições em São Paulo para o Conselho Regional e Conselho Fiscal serão realizadas na sala nº 1 (fundos) do 2º andar, no prédio do Banco Central, no horário das 8h30 às 16h30. A contagem dos votos se dará no mesmo local, tão logo encerrado o horário de votação.

Leia, no quadro abaixo, o texto elaborado pelos participantes da chapa "Integração", única inscrita para o Conselho Regional. A divulgação do texto atende ao contido no item 7 do Regimento Eleitoral aprovado em assembléia datada de 22/02/07.      

2)      Assembléia às 14h, no saguão do prédio do BC

Pauta: discussão e deliberação, se for o caso, sobre os diferentes encaminhamentos adotados pelas regionais para a greve a partir do dia 11/04.

Conselho Regional do Sinal-SP

 

 

ELEIÇÃO SINAL PARA O BIÊNIO 2007/2009

Chapa "Integração":

porque ampliar a participação só beneficia os servidores!

A chapa "Integração" apresenta suas propostas e idéias para a gestão do Sinal no biênio 2007/2009, consciente da necessidade de mobilizar o funcionalismo de uma forma contundente face ao atual cenário traçado pelo governo Lula, que soma um plano de crescimento que submete todos nós, servidores públicos, a um congelamento salarial – como se fôssemos apenas um fardo para a sociedade e não colaborássemos com o desenvolvimento deste país – a um projeto para a regulamentação do direito de greve, que só servirá para restringir o nosso direito de reivindicar.

Preliminarmente, cabe um histórico do processo que culminou na formação da chapa.

Deflagrado o processo eleitoral, os integrantes do atual Conselho Regional se manifestaram pela necessidade de alternância de direção, como forma de evitar um distanciamento dos seus representados.

Isso levou o Conselho Regional a um esforço para agregar novos colaboradores para a formação do novo Conselho, de forma que os filiados tivessem uma melhor representação por meio de uma distribuição mais eqüitativa dos setores e dos vários segmentos do funcionalismo. Esforço recompensado com o surgimento de novas "caras", interessadas na preservação do sindicato, por entenderem que o Sinal possui, pela ação do funcionalismo do Banco Central, um expressivo patrimônio histórico e político que merece ser preservado e aprimorado. Acima de tudo, falou mais alto a convicção de que, para ser tratado com respeito, é necessário ao funcionalismo do Banco Central manter a autoridade política que se manifesta através da sua entidade representativa.

O sindicato é imprescindível, ainda que sempre precisemos aperfeiçoá-lo.

Assim, a chapa "Integração" assume o compromisso de pautar sua atuação pela incansável defesa dos interesses de todos os segmentos do funcionalismo, bem como o de ter sempre presente que todas as questões de interesse do funcionalismo são relevantes para o sindicato.

Estamos atravessando momento decisivo para o futuro da Instituição Banco Central e de seus servidores. Diversos temas que irão interferir no futuro dos servidores do Banco Central exigirão nossa firme participação em árduas batalhas que se desenvolverão simultaneamente, daí a necessidade de uma ampla participação de todo o funcionalismo.

O nosso Plano de Cargos e Salários está desgastado, como mostraram não apenas a AND e a recém-instalada votação eletrônica, que indicou novas diretrizes para o PCS; como também a esperança dos servidores de realinhar o nosso salário com os melhores salários pagos pelo Poder Executivo. Isso acarretará um grande esforço para envolver todo o corpo funcional para exigir, da Diretoria do Banco Central, medidas concretas para agilização do trâmite da matéria junto ao Governo, assim como para traçar um plano estratégico para atuar no Congresso. É vital, neste momento, a aglutinação de esforços para garantir a aprovação, no mais curto prazo, de um índice que recomponha os nossos salários. Posteriormente, o funcionalismo deverá lutar pelo aprimoramento do PCS, em conformidade com os anseios do funcionalismo, expressado no resultado da votação eletrônica, que busca a isonomia, de modo a não haver privilégios para qualquer segmento do funcionalismo, analistas, procuradores ou técnicos, novos ou antigos, aposentados ou da ativa, em detrimento dos demais.

Além disso, buscaremos sempre a integração dos servidores do BC, via implementação de propostas que superem a extrema segmentação hoje existente, principalmente entre técnicos e analistas, reforçando a comunicação entre os servidores, a qualidade de vida e as condições de trabalho.

Outra questão que nos aflige se refere às reformas pretendidas pelo Governo Lula. Primeiramente, temos a "eterna" Reforma da Previdência. Defendemos um regime que nos garanta o direito a uma aposentadoria digna, que não desrespeite mais os direitos adquiridos e tenha por finalidade básica a manutenção do padrão de vida do trabalhador após sua saída do mercado de trabalho. Outra é a Reforma Sindical que, mantidos os termos do projeto rejeitado no ano passado, porá em risco a existência independente do Sinal e a possibilidade de negociarmos, nós mesmos, em prol de nossas reivindicações, transferindo essa responsabilidade para uma central sindical e seus negociadores. O sindicato terá que criar, portanto, condições para acompanhar, no Congresso, o andamento desses projetos. Terá, principalmente, que conseguir comprometer nessa discussão os servidores do Banco Central, com vistas à ação prática para a consecução de nossos objetivos. Para isso, a construção de uma agenda comum com entidades representativas de outras categorias do serviço público federal constitui uma de nossas bandeiras prioritárias.

Também não poderemos nos furtar a participar ativamente do debate sobre a regulamentação do artigo 192 da Constituição Federal, e defender que os limites dos direitos, dos deveres e da organização da carreira de servidor do Banco Central sejam definidos em lei específica.

Além destas questões fundamentais, não esmoreceremos nem nos furtaremos nem em relação aos demais temas que nos afligem, como trabalhar junto aos gestores do Pasbc para solucionar os problemas operacionais que o sangram financeiramente para não sermos aviltados futuramente. É nosso compromisso permanecer junto ao afiliado em todas as questões que o atingem, como exigir que o prédio do Banco Central em São Paulo tenha condições de segurança e operacionalidade, não colocando em risco o servidor a cada vez que ele toma o elevador, procurar uma distribuição mais sensata para as vagas de garagem e provocar que a administração implante, definitivamente, um programa de treinamento continuado para todos os servidores.

Ao mesmo tempo, defrontamo-nos, diariamente, com uma série de problemas que, embora atinjam diretamente apenas algumas parcelas do funcionalismo, representam focos de insatisfação que trazem grandes prejuízos ao ambiente de trabalho. Exemplos:

Ø             negociar de forma ampla a aplicação da URV e da ação dos 28,86%;

Ø             encaminhar na próxima AND – Assembléia Nacional Deliberativa, proposta para abrandar os valores de nossa contribuição mensal;

Ø             transferir "de ofício", por ser de interesse do Banco Central, os servidores que vençam concorrências para lotação em outras praças;

Ø             estabelecer uma política de mobilidade clara, que ofereça oportunidades iguais a todos que desejam remoção e atenda aos interesses do Banco Central e dos servidores, concomitantemente.

Para bem encaminhar tantas lutas, faz-se necessário aprofundar a inserção do SINAL em todas as instâncias.

Assim, o aprimoramento da comunicação entre os afiliados e seus representantes, por meio de todas as ferramentas à disposição, é imperioso para que possamos receber e apreciar eficazmente a sua opinião e realizar uma gestão mais participativa no sindicato.

É necessário promover a convivência harmônica entre a direção do Bacen e nossa representação sindical, manter e aperfeiçoar continuamente nossa atuação no Congresso Nacional, junto a deputados e senadores; capacitar o sindicato a interagir com mais eficiência com outros órgãos e a promover parcerias com entidades afins, tanto nas questões institucionais voltadas à valorização do serviço público quanto nas questões mais concretas de natureza econômica, como um valor mais condigno de nosso vale-alimentação e auxílio-creche. Também precisamos atuar no sentido de reverter a imagem negativa dos servidores públicos junto à opinião pública, valendo lembrar a péssima avaliação atribuída ao Banco Central pelo Idec.

 

Por tudo isso, venha votar neste dia 10 e colocar suas esperanças na urna, e vamos, todos juntos, trabalhar por um futuro melhor para nós e para aqueles que amamos.

 

 

 

REDE CONVENIADA DE DESCONTOS

SÓ GOL  – ARTIGOS ESPORTIVOS – Rua Augusta, 2177. Telefone (11) 3081-5972. Horário de funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 20h; aos sábados, das 9h30 às 17h30. Não possui estacionamento. Os filiados ao Sinal têm desconto de 10%, exceto em mercadorias em promoção.

[[[]]]

Ingressos de Cinema:

Unibanco Arteplex SP – Dispomos de convites pelo preço de R$ 8,00, com prazo de validade até 1º de julho/07. O convite deve ser trocado por ingresso na bilheteria dos cinemas, no Shopping Frei Caneca – Rua Frei Caneca. 569, 3º piso. Consulte aqui a programação.

Rede CinemarkRede Cinemark – Não dispomos de convites, no momento.

 

SINAL – Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central

Rua Peixoto Gomide, 211 – São Paulo (SP) – Cep 01409-001

Tel/Fax: 3159-0252 / e-mail: sinalsp@sinal.org.br

 

Edições Anteriores RSS