Edição 61 - 14/06/2007

42 dias de paralisação

 


O BC delibera hoje, em assembléias,

sobre cinco itens que resumem
uma campanha insana

 

 

O governo pediu tempo e interrompeu-se a rodada de negociação da terça-feira última. Retornamos ontem à Mesa, para mais uma longa reunião. Foram mais de cinco horas, fora o atraso de quase duas no início aprazado.

 

Idas e vindas, aproximações e recuos, momentos de tensão, ânimos exaltados, interrupções para consultas de ambas as bancadas, e outros movimentos próprios de embates da espécie.

 

Ao final, obteve-se na Mesa um conjunto que contempla cinco itens, que levaremos hoje às assembléias. Visamos assim pôr termo, após 42 dias de paralisação, à mais longa e desgastante das nossas greves.  Você os conhecerá ao final desta mensagem.

 

 

Veja aqui as informações, passo a passo,

do decorrer da negociação de ontem:

 

 

  • 16h20: início da reunião.

    Duvanier Paiva, novo Secretário de RH do MPOG, pergunta se os sindicatos pensaram em algo para solucionar o impasse de ontem.

 

  • 16h47: o governo quer que os sindicatos construam as condições para negociar.

    Diz que estamos impacientes, e parece que não tem nada para nos mostrar.
     

  • 16h58: o Diretor Gustavo toma a palavra, e diz que três pontos foram conquistados pela greve:

1- 2ª parcela de julho para janeiro/2008;
2- salário inicial será discutido no GT do PCS;
3- governo aceita tramitação por MP.

 

Duvanier Paiva diz que só temos dois pontos de atrito:

 

1) dias de greve e

 

2) alguma parcela para 2007.
 

 

  • 17h23: Duvanier Paiva diz que parcela em 2007 é situação muito delicada para o governo.

  • 19h10: depois de um intervalo, a reunião está recomeçando neste momento.

  • 19h52ao recomeçar a reunião, a bancada sindical perguntou ao governo:

– a "reposição" do trabalho não feito serviria de justificativa para retomarmos 2007?

 

Respostas:

  • de Duvanier Paiva: "Para o governo, 2007 implica em compensação pecuniária."
     

  • de Gustavo Matos: "O BC necessita da reposição do trabalho e O QUE FOR REPOSTO NÃO SERÁ DESCONTADO"; ainda está na mesa a proposta 50% / 50% (TRABALHO-PECÚNIA).

 

  • 19h57: a bancada sindical propõe:

 

1- Utilizar nossa tabela, aquela com A1=B1;

 

2- Incidência da parcela móvel (aquela era junho de 2008) para dezembro de 2007, 2ª parcela (a que era 1ª) em janeiro/2008 e a 3ª em janeiro/2009.

 

3- Discussão dos dias de greve após o retorno ao trabalho.

 

  • 19h59: o governo pede intervalo para analisar a proposta da bancada sindical.

 

  • 20h08: A bancada MPOG/BC retorna e diz que é impossível concordar com o incremento do salário de ingresso.

 

Duvanier Paiva afirma que, se concordarmos em subtrair essa demanda do salário inicial, a proposta estará além do seu mandato, mas é defensável junto ao ministro.

 

Gustavo Matos diz que o salário de ingresso é parte integrante do plano de cargos e salários e que não pode nesse momento rever esse assunto. Ele não conhece a posição da Diretoria do Banco, não existe unanimidade no BC a esse respeito e essa discussão nesta Mesa não vigora.

 

Marilene Lucas diz que essa questão é um problema, e que não existe eco, no corpo técnico do MPOG, para essa proposta.

 

Vladimir Nepomuceno diz que o sonho da Fasubra é aumentar o gradiente entre o início e o fim, e que nossa demanda vai no sentido oposto à de qualquer sonho de qualquer técnico administrativo sobre um plano de carreira. A discussão pode ser feita, mas não nesta Mesa.

 

Debates a respeito do tema prosseguem.

 

  • 20h30: O Diretor de Administração do BC diz que não tem mandato para discutir o salário de ingresso.

 

Teria, portanto, que levar o assunto para a Diretoria do Banco, e que não o fará.

 

Informa que seu compromisso é iniciar a discussão do PCS em setembro de 2007.

 

Para tanto, contratará empresa de consultoria e chamará os sindicatos para a discussão, e esse compromisso é o que ele irá cumprir.

 

  • 20h40:  Miriam de Oliveira diz que o compromisso de reavaliar o salário de ingresso é do BC e que, após a conclusão do GT/PCS, será necessário o estabelecimento de uma nova Mesa para negociar a implantação com o governo.

 

Afirma que esse compromisso é do BC, e não do Governo.

 

Novo intervalo para a bancada BC/MPOG levar a proposta sem B1 para o Ministro.

 

  • 21h42: O governo retorna.

 

Consultado, pelos representantes do governo à Mesa, o ministro Paulo Bernardo, este concordou com a proposta construída na mesa de negociação:

 

1) Implantação das tabelas na estrutura proposta pelo Governo nos seguintes termos:

 

a)    a parcela móvel (antiga 2ª parcela) incidirá em dez/2007, aproximadamente 4,84% de impacto na folha;

 

b)    a antiga 1ª parcela, aproximadamente 17,65%, em jan/2008;

 

c)     3ª parcela, aproximadamente 5,18%, em jan/2009;

 

2) Implantação por Medida Provisória, em tempo hábil para o cumprimento do acordo. A decisão sobre MP é da Casa Civil, que deverá seguir o acordado pelo MPOG;

 

3) Negociação dos dias de greve (*)após o fim do movimento, não condicionada à efetividade dos itens acima.

 

(*) ficou pré-agendada reunião no MPOG na próxima terça-feira, dia 19.06.

 

Edições Anteriores RSS