Edição 72 - 20/06/2007

O Banco Central tem que se fazer respeitar

Foi preocupante, sem ser surpreendente, a postura do Governo na reunião de ontem no MPOG, ao bater o pé na questão do desconto pecuniário de parcela dos dias em greve, que o governo considera, absurdamente, como dias corridos, o que significa cerca de 50 dias.

Sem ter apresentado proposta definida, ficou claro seu intuito de tentar quebrar o ânimo do funcionalismo do BC, e colocá-lo como "exemplo" para as demais categorias em luta, o que ensejou uma reação firme do SINAL e demais entidades sindicais.

Da mesma forma – preocupante, mas não surpreendente -, foi ver o Banco privado de prerrogativas que historicamente lhe dizem respeito.

Foram-lhe retiradas a responsabilidade sobre a gestão do quadro de pessoal e a autonomia nas decisões referentes à negociação dos dias em greve (o que se deu, normalmente, nos episódios anteriores).

É bem verdade que os prepostos da Diretoria presentes à reunião não estavam investidos de uma autoridade capaz de fazer frente ao exercício de "enquadramento" a que foram submetidos; daí atuarem, simplesmente, como ouvintes.

Sob pena de não passar de um simulacro, e gerar decisões sem nenhum valor, a Mesa tem que contar com a presença dos representantes oficiais do Bacen: seus diretores, com o aval do Presidente.

O Banco Central é uma instituição muito séria e não pode servir de joguete político nas mãos do governo. A diretoria do Bacen tem que se fazer presente e não permitir o rebaixamento do seu papel institucional.

Tal omissão não será perdoada por seu funcionalismo, nem pela história do Órgão.

Senhores do governo: não contem conosco para participar dessa simulação, revestida de um autoritarismo que se vem tornando marca registrada em questões relativas aos servidores do país.

O ânimo dos servidores da Casa está intacto: não iremos titubear, caso sejam tomadas, unilateralmente, medidas de retaliação que novamente penalizem o funcionalismo do Bacen.Uma negociação desarmada deveria começar pela devolução dos valores já descontados.

O serviço acumulado necessita reposição por intermédio de horas de trabalho e assim será feito de forma responsável, como sempre o fizemos, num comportamento que tem levando esse Banco Central a posição de respeito que a sociedade brasileira hoje lhe delega.

Não queiram, senhores, destruir isso.

HOJE REUNIÃO NO MPOG, ÀS 16 HORAS.
Acompanhe o andamento em linha direta, através do sítio do SINAL – www.sinal.org.br

Edições Anteriores RSS