Edição 85 - 19/10/2005

QUADRO NACIONAL

Belém

Belo Horizonte

Brasília

Curitiba

Fortaleza

Porto Alegre

Recife

Rio de Janeiro

Salvador

São Paulo

A assembleia de ontem decidiu pela manutenção da greve. Foi rejeitada a proposta do governo. Queremos que o governo assuma os 10% para 2006 e que em 2007 é outra conversa. Nova assembleia hoje às 9h:30m, para avaliarmos o andamento do movimento.Na assembléia de ontem foi divulgado o relato sobre a reunião com o MPOG de reajuste de 6% em janeiro/06 e 4% em janeiro/07, decidiu-se, com mais de 170 presentes, RADICALIZAR o movimento, não permitindo, que nem a mesa do DEMAB funcione. Os demais setores julgados estratégicos para o mercado tb não poderão funcionar. A indignação do funcionalismo é muito forte e estão todos dispostos a fazer a greve aparecer já que disseram que ela não incomodava. Os grupos do piquete foram articulados e desde ontem estão na porta do Banco Central. Assembléia hoje às 10 horas. A lista de presença da assembléia de ontem foi assinada por 57 servidores. Aprovada por unanimidade a continuidade da greve. Nova Assembléia marcada para hoje, dia 19/10, às 10 horas.A assembléia de ontem decidiu pela continuidade da greve. Na segunda-feira houve refluxo de colegas (que deram como certa a negociação), porém hoje os traremos de volta com passagem no prédio do Mecir às 8h30m e no outro prédio às 9h30m, com a participação de colegas de fora do CR. Participaram em torno de 40 colegas da assembléia. Discutiu-se a radicalização do movimento – inclusive com piquetes – mas optou-se pelo convencimento dos colegas.
Assembléia de ontem rejeitou a proposta apresentada pelo governo na última reunião. Nova assembléia hoje, às 9 horas. Assembleia de ontem com boa presença, cerca de 60 pessoas. Decepção geral. Não foi votado nada, só passado informes. Assembléia hoje às 9 horas.A assembléia de ontem foi bastante participativa, 30 falações, cinco delas de comissionados propondo a entrega da comissão. A maior na história do Banco Central. Por unanimidade decidiu-se RECUSAR a proposta do governo e manter a greve aumentando a mobilização.Adesão à greve aumenta a cada minuto na manhã de hoje. Chefes Adjuntos e Consultores estão aderindo à greve. As três entradas do Banco Central estão com piquetes e o funcionalismo está fazendo um apitaço. Uma verdadeira loucura! A Assembléia de ontem com a presença de 116 servidores recebeu, entre estupefata e indignada, a notícia de que não houve o fechamento de proposta conforme era esperado e, ao contrário do que sinalizou, de modo irresponsável, o governo não cumpriu "mais uma vez" um compromisso firmado com os representantes da categoria. Foi reafirmada a continuação da greve forte, acompanhando as demais regionais, cuja avaliação de reações será passada hoje. A assembléia de ontem, com 180 assinaturas na lista de presença, rejeitou a proposta do Governo (reajuste linear de 6% em jan/2006, e 4% em jan/2007), com apenas 1 voto a favor e 4 abstenções. O entendimento geral é que se o Governo quer conceder reajuste de 10%, que seja, no mais tardar, em janeiro de 2006. A greve continua! O funcionalismo em São Paulo nem quer ouvir falar em percentuais envolvendo 2007.Com a presença de 31 servidores foi realizada, ontem, assembléia com muitas manifestações de indignação com a conduta do Fleury e demais representantes do Governo na mesa de negociação. Sugerir aos colegas de Brasília que usem da visibilidade da reunião do Copom (18 e 19/10) para dar maior destaque à nossa mobilização.

Edições Anteriores RSS