Edição 44 - 10/05/2007

Governo não cumpre acordos e oferece aumento em “suaves prestações”.

Já é possível perceber que o governo estabeleceu uma linha de negociação comum para os servidores públicos. Com exceção da Receita Federal, que recebeu de uma vez no ano passado o reajuste de aproximadamente 35 %, diversos órgãos estão passando por problemas semelhantes

O não cumprimento dos compromissos firmados anteriormente é linha comum no comportamento governamental. O "reconhecimento" das reivindicações e a apresentação de percentuais sedutores também são marcas da estratégia palaciana.

Mas na hora da verdade, na hora de aplicar a tabela, o que se vê são parcelas a perder de vista, do tipo "devo não nego, pago quando puder" .

Os funcionários do Bacen, assim como os da Cultura, Polícia Federal e Ciência e Tecnologia, dentre outras, já demonstraram que não aceitam servir de "bode expiatório" para sustentar o sucesso do PAC. A implantação de uma política desenvolvimentista não pode significar a desvalorização dos nossos salários.

A nossa greve está cresce porque é justa. O Bacen tem que valorizar seus funcionários.

Edições Anteriores RSS