Edição 25 - 24/04/2008

Dias 28 e 29 de abril (2ª e 3ª) é nossa obrigação votar e defender o PASBC

Dias 28 e 29 de abril (2ª e 3ª) é nossa obrigação votar e defender o PASBC

Eleição dos representantes no Comitê Gestor garante a nossa interferência direta no Programa.

Durante muitos anos o Programa de Saúde foi de responsabilidade integral do Banco, conforme constava nos editais dos primeiros concursos. Dentro de uma política de desvalorização do servidor público foi-nos impingida a cobrança de uma contribuição mensal, atualmente paritária em relação à do Banco. Várias perdas ocorreram, dentre elas, a cobrança nos tratamentos odontológicos e a redução de alguns serviços, mas mesmo assim, ainda é um plano bem acima da média.

O Programa é gerido por um Comitê integrado por 6 funcionários, sendo 3 indicados pelo BC e 3 eleitos pelos funcionários, todos com mandato de 3 anos. Esses cargos não fazem jus a nenhuma remuneração, nem dispensa de ponto, para os que estão na ativa.

O SINAL entende que onde houver instância aberta à participação dos servidores devemos estar representados. Não participar desse processo, como defende uma outra entidade sindical, é um erro estratégico, pois estaremos entregando ao Banco (leia-se Governo) todas as decisões que nos afetam. E não estamos aqui para nos omitir. 

Nossos representantes no mandato que está se encerrando, lutaram por:

– nova estrutura organizacional para o PASBC, com projeto piloto a ser implantado na praça do Rio de Janeiro e adoção de medidas gerenciais e operacionais para melhor funcionamento do PASBC, objetivando a redução do volume de despesas do Programa e, conseqüentemente, o seu equilíbrio financeiro;

– convênio com a CASSI para assistência aos colegas que residem em praças não assistidas pelo PASBC, antiga reivindicação do funcionalismo – item conquistado;

–  proposta de criação de um novo Regulamento, com a ampliação do rol de benefícios, destacando “call center” para orientação aos usuários, atendimento emergencial em residências através de UTIs móveis, programas de acompanhamento de doentes crônicos, melhoria do atendimento para pacientes com dependência química;

– isenção total da PDL para os pacientes portadores de doenças crônicas inscritos nos programas de acompanhamento e pacientes de longa internação que optarem para transferência para hospital de retaguarda;

– redução da PDL para os casos de tratamentos fisioterápicos;

– concessão de medicamentos na forma de auxílio (pagamento integral pelo PASBC) para os casos de pacientes crônicos;

– transparência na divulgação dos dados, com o permanente informe ao funcionalismo dos resultados operacionais (receitas menos despesas) do PASBC.

Nesse sentido, estamos apoiando três funcionários para integrarem o Comitê Gestor e um funcionário para o Conselho Fisca, que assumiram compromisso por esses pontos. Vamos conhecê-los:

Candidatos ao COMITÊ GESTOR apoiados pelo SINAL Nacional

JARBAS ATHAYDE GUIMARÃES FILHO – Aposentado, foi eleito em 2005. Vanguardeou nessa gestão, a luta pela valorização do PASBC.

Participou ativamente de todos as reuniões do Comitê e das Audiências Públicas realizadas no Rio, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém e Brasília (2 em cada cidade). Estas Audiências levaram ao funcionalismo as propostas de mudanças no Regulamento do PASBC, que receberam críticas e sugestões e serão submetidas à votação dos funcionários. Essa votação já deveria ter ocorrido, mas o Banco alega a inoportunidade de colocação do assunto em virtude da indefinição da questão salarial.

SERGIO LUIZ MARTINS COELHO – trabalha no DESIG. Trabalhou no setor responsável pelo PASBC, de fev/2005 a jun/2007, onde participou da elaboração de uma proposta de reformulação gerencial do Programa, que foi encaminhada ao Comitê Gestor sob forma de voto do membro eleito Jarbas Athayde, em maio de 2005.

Jarbas Athayde e Sergio Coelho participam, desde outubro de 2004, de um grupo de estudos do PASBC, que se reúne todas as 4as. feiras e encaminha sugestões e propostas ao Comitê Gestor. São Conselheiros do Sinal RJ, sendo que Jarbas integra também o Conselho Nacional do SINAL.

PAULO LINO GONÇALVES – Ingressou no BC em 1978, sendo inicialmente lotado na área de pessoal onde permaneceu por 5 anos e colaborou diretamente no desenvolvimento da 1ª rede completa de credenciados do programa de saúde do BC/SP.

Transferiu-se para o MECIR/SP onde permanece até hoje, tendo atuado ativamente para que as condições de trabalho naquele Departamento, principalmente as ligadas ao trabalho insalubre, fossem reconhecidas e melhoradas.

Com um longo histórico de participação em defesa do funcionalismo do BACEN, atualmente integra o Conselho Nacional do SINAL.

 

Candidato ao CONSELHO FISCAL apoiado pelo SINAL Nacional

CARLOS TADEU PIMENTA – formado em Ciências Contábeis e Administração, faz parte do Conselho Regional do SINAL de Brasília. Entendemos que o integrante do Conselho Fiscal deve trabalhar naquela cidade, pela facilidade de acesso às informações sobre o objeto da sua fiscalização.

Você poderá votar em até 3 nomes para o Comitê Gestor e 1 nome para o Conselho Fiscal.
A votação será por meio eletrônico, pela transação PVOT 400.
Também se poderá votar em urna, no Edifício Sede/RJ, Av. Presidente Vargas, 730, nos dias 28 e 29/4.

Não à omissão.
Nós, e apenas nós, temos o dever de defender o nosso Plano de Saúde.
Dias 28 ou 29/4, todos votando pelo PASBC.

Edições Anteriores RSS