Edição 209 – 28/11/2019

Sinal reivindica a suspensão da 2ª parcela do reajuste do PASBC


O Programa de Assistência à Saúde dos Servidores do Banco Central (PASBC) é o pilar mais sólido do Programa de Gestão de Pessoas do Banco Central e ponto nevrálgico das relações com os servidores. A sua preservação é de interesse de todos.

O Sinal solicitou audiências com o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e com a diretora de Administração, Carolina de Assis Barros, nos dias 20 e 21 de novembro, respectivamente, e em ambas as pautas consta a reivindicação da suspensão da 2ª parcela do aumento da contribuição ao PASBC, prevista para o dia 1º de janeiro de 2020, até a efetiva implantação e avaliação do resultado dos projetos de melhorias na gestão do Programa e de educação e prevenção à saúde, sob a responsabilidade do Departamento de Gestão de Pessoas (Depes).

Os efeitos da 1ª parcela do aumento das contribuições, efetuado em junho deste ano e, também, a alta na Participação Direta Limitada (PDL) já se fazem sentir nos bolsos dos servidores, reduzindo o seu combalido poder de compra, em vias de ser drasticamente deteriorado com a elevação da contribuição previdenciária para o início do próximo ano, a provável instituição de uma contribuição previdenciária extraordinária, a proposta redução da jornada em até 25% e a ameaça de três anos sem recomposição salarial.

Acreditamos que o diálogo e o bom senso devem prevalecer e esperamos que a direção do BC se sensibilize para que, juntos, encontremos os melhores caminhos para o PASBC.

Edições Anteriores